5G ainda depende de leilão, mas Brasil já trabalha em projeto de tecnologia 6G

5G ainda depende de leilão, mas Brasil já trabalha em projeto de tecnologia 6G

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 02 de Junho de 2021 às 18h20
Elements/twenty20photos

A tecnologia 5G ainda dá os primeiros passos no Brasil, mas as pesquisas para o desenvolvimento da tecnologia 6G já estão a todo vapor. Quem está à frente do projeto Brasil 6G é o Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), em parceria com a Rede Nacional de Pesquisa (RNP) e outras instituições de ensino e pesquisa nacionais. A iniciativa tem o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

No Inatel, todos os docentes atuam de forma direta ou indireta nas pesquisas sobre 6G. “Dividimos as frentes de pesquisa em várias ramificações porque o projeto prevê diferentes aplicações”, diz Luciano Leonel Mendes, coordenador de Pesquisa do Centro de Referência em Radiocomunicações (CRR). Isso inclui inteligência artificial, segurança e sustentabilidade de rede, inovações em radiofrequência e comunicações ópticas, entre outros.

Segundo Mendes, embora seja uma continuidade das pesquisas sobre 5G, esse projeto é muito mais inovador: são estudos para uma rede que ainda não existe e com potencial de aplicações bastante futuristas. “Para as aplicações da rede 5G já existia demanda: eram situações que exigiam alta vazão de dados ou baixa latência. Na Rede 6G será preciso prover esses requisitos extremos ao mesmo tempo e a forma convencional de se pensar em uma rede não vai servir”, esclarece.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

6G prevê aplicações ainda mais inovadoras (Imagem: Reprodução/Pexels - Andrea Piacquadio)

Existe a expectativa de que o Brasil 6G coloque o país na vanguarda da pesquisa sobre a tecnologia. “Esse projeto vai colocar o Brasil frente a frente com os principais países que desenvolvem essa tecnologia”, avalia Rubens Caetano de Souza, coordenador de Pesquisa e Desenvolvimento da Secretaria de Empreendedorismo e Inovação do MCTI.

Para Souza, isso pode ajudar no desenvolvimento de requisitos específicos, de acordo com as necessidades brasileiras (econômicas, socioambientais e educacionais). “Teremos a possibilidade de estar nas mesas de discussões e definições com pesquisadores do mundo todo”, destaca.

Entre as instituições que participam da iniciativa estão as Universidades Federais do Pará, do Ceará, de Goiás, do Rio de Janeiro e de Santa Catarina, bem como a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD). Além deles, institutos estrangeiros, como a Universidade de Oulu, na Finlândia, também estão engajados no projeto.

Leilão do 5G brasileiro está próximo

Fábio Faria, ministro das Comunicações, está confiante de que o leilão do 5G brasileiro vai acontecer em meados de julho. No momento, o edital do processo passa por análise no Tribunal de Contas da União (TCU). O órgão contesta alguns pontos do documento, como os preços de compra das frequências e as contrapartidas exigidas pelo governo federal das empresas que vencerem o leilão — como o financiamento da criação de uma rede privativa para o Palácio do Planalto e demais órgãos da administração federal, o que pode ser uma forma de o Executivo burlar o teto de gastos.

Segundo Faria, o governo tem fornecido todas as informações solicitadas pelo TCU e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deve conseguir realizar o leilão e dar início à implementação do 5G conforme planejado. “O TCU sabe da importância do 5G para o país. O Brasil é um modelo para a América Latina. Outros países estão esperando o que o Brasil vai fazer para poder seguir”, avalia.

Expectativa é que o leilão do 5G brasileiro aconteça em julho (Imagem: Reprodução/Unsplash/Shane Rounce)

Uma comitiva com integrantes do governo, da Anatel e do TCU viaja aos EUA no domingo (6) para visitar órgãos oficiais do governo norte-americano e se reunir com investidores para apresentar a proposta do Brasil. "Todos os esforços estão sendo feitos para que a gente possa realizar o leilão o mais rápido possível, porque nós precisamos desses investimentos", destaca o ministro.

Artur Coimbra, secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, conta que a maior parte dos recursos captados no leilão será revertida em investimentos. “Um ano depois do leilão, a gente vai ter todas as capitais brasileiras com 5G e nossa expectativa é ter todas as cidades brasileiras com mais de 30 mil habitantes obrigatoriamente com 5G até 2029”, explicou em fala reproduzida pela Agência Brasil.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.