Zoom cria fundo de US$ 100 milhões para investir em apps que usam sua tecnologia

Zoom cria fundo de US$ 100 milhões para investir em apps que usam sua tecnologia

Por Rui Maciel | 19 de Abril de 2021 às 14h15
Reprodução/Charles Deluvio (Unsplash)

O Zoom anunciou nesta segunda-feira (19) a criação de um fundo de US$ 100 milhões - o Zoom Apps Fund - que investirá em startups que criam aplicativos a partir da tecnologia usada pela plataforma de videoconferências.

Em declaração à agência de notícias Reuters, Kelly Steckelberg, CFO do Zoom afirmou que o fundo fará investimentos entre US $ 250 mil e US $ 2,5 milhões em startups que estão desenvolvendo os chamados "Zoom Apps". Estes se conectam ao software de videoconferência da empresa e conseguem adicionar novos recursos a ele.

Atualmente, empresas mais estabelecidas como a Salesforce já contam com aplicativos baseados no Zoom que podem, por exemplo, exibir informações de sistemas corporativos para discussões durante reuniões de vendas. A CFO da plataforma de videoconferências afirmou que a sua empresa quer encorajar os desenvolvedores a criar funções, como quadros brancos digitais para esboçar ideias.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Ela disse que o fundo também será aberto a startups como fornecedores de aplicativos de telemedicina ou fabricantes de hardware para salas de conferência que querem explorar os sistemas de vídeo baseados em nuvem do Zoom.

Zoom Apps: fundo investirá até US$ 2,5 milhões em startups que desenvolverem aplicativos com funções complementares ao Zoom (Imagem: Divulgação / Zoom) 


Steckelberg disse também que o fundo será administrado a partir do balanço patrimonial do Zoom, e não como uma entidade independente de capital de risco. Além disso, ele não deseja ocupar cargos no conselho das empresas em que investe. "Isso realmente nos ajudará a investir em startups nos estágios iniciais e obter tração inicial no mercado", disse ela à Reuters. "Essa iniciativa está alinhada [ao papel do Zoom] em se tornar um investidor estratégico".

“Fundei o Zoom em 2011, há quase dez anos. Sem o apoio dos primeiros investidores, o Zoom não seria o que é hoje ”, disse Eric S. Yuan, fundador e CEO da empresa, em comunicado. “O que aprendi no ano passado é que precisamos manter as reuniões produtivas e divertidas. Minha esperança é que o Zoom Apps Fund ajude nossos clientes a se sentirem mais felizes e colaborar de forma ainda mais perfeita, mas, ao mesmo tempo, ajude os empreendedores a construir novos negócios conforme nossa plataforma evolui. ”

Com atuação mais restrita às grandes empresas antes da pandemia da Covid-19, o Zoom experimentou um crescimento exponencial entre usuários finais, graças a obrigatoriedade do home office e aulas online em boa parte das empresas e escolas. No quarto trimestre de 2020, a companhia registrou um aumento de 369% em sua receita no ano a ano. Plataformas rivais como o Microsoft Teams, o Webx (Cisco) e o Google Meet também registraram aumento no número de usuários B2B e B2C.

Leia também:

Com informações da Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.