Startup digitaliza documentos para acabar com burocracia em cartório

Startup digitaliza documentos para acabar com burocracia em cartório

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 29 de Novembro de 2021 às 17h20
Scott Graham

O cartório é um dos últimos lugares em que você imagina a tecnologia chegando para facilitar tudo. Mas a startup fluminense GSE — sigla para Gestora de Serviços Extrajudiciais — surgiu em 2017 com a intenção de reduzir a burocracia no país, ao certificar e formalizar digitalmente documentos, certidões e títulos diversos.

A companhia começou com a digitalização de certidões de nascimento. Atualmente trabalham substituindo a figura do despachante com o serviço de levantamento de documentos judiciais e extrajudiciais. Vão atrás de certidões de cartórios e documentos de órgãos específicos, como por exemplo da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Detran e juntas comerciais.

Outros serviços da GSE são a realização ou atualização de atas notariais, registros de imóveis, de protestos em títulos; certificação para assinatura eletrônica ou física (com ICP e e-notariado), validação de assinaturas físicas em reconhecimento de firma e autenticações; e adequação de documentos digitais ou físicos.

GSE atingiu R$ 2 milhões em faturamento em 2020 (Imagem: Reprodução/Lewis Keegan/Unsplash)

Dois executivos da empresa, Cinthia Valladares e Gabriel Sampaio, atuaram por anos na área jurídica, com passagens por corregedorias, Conselho Nacional de Justiça e associações do setor. Em 2020, o primeiro ano de pandemia de covid, a GSE atingiu R$ 2 milhões em faturamento.

A empresa pertence ao e-Xyon Par, holding fundada em 2019 que age como "investidor tecnológico" de outras empresas, trazendo mais experiência de tecnologia aos respectivos negócios de cada startup. Como exemplo, automatizam gestão, ampliam a logística da informação e investem mais em inteligência artificial. O grupo afirma focar em "elevados padrões de segurança jurídica e governança legal".

A GSE diz ter construído uma rede com advogados especializados para atender a todo o Brasil. “Sabemos que ainda há um descontentamento generalizado do mercado em relação ao nosso nicho de atuação, acrescidos pelo desconhecimento tecnológico e a necessidade de solução urgente por parte de várias empresas que precisam lidar com nossa atividade”, disse Gabriel Sampaio, diretor de operações.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.