Empresárias criam cofundador falso para burlar o sexismo no mercado de startups

Por Patrícia Gnipper | 01 de Setembro de 2017 às 16h00

Mulheres que decidem criar seus próprios negócios costumam enfrentar certa resistência quando buscam por investidores e parceiros no mercado de startups, mesmo que estejam à frente de negócios com potencial de crescimento. A fim de burlar essa resistência, uma dupla de empresárias escolheu uma tática nada convencional, mas que se provou eficaz: criar Keith Mann, um cofundador falso do gênero masculino, para fazer o contato com outras empresas e parceiros.

Penelope Gazin e Kate Dwyer, donas da loja virtual de acessórios “diferentões” Witchsy, contaram à Fast Company que, quando estavam começando a empreitada, receberam comentários como “vocês têm certeza disso?” e “essa é mesmo uma boa ideia?”. Talvez porque elas sejam bastante jovens, sua ideia tenha sido desacreditada de imediato. Ainda assim, crentes de que tinham um nicho de mercado bacana para explorar, a dupla seguiu em frente, e seu negócio vendeu cerca de US$ 200 mil em seu primeiro ano.

New space babe tee by witchsy.com/moon-&-bear

A post shared by Witchsy (@shopwitchsy) on

Contudo, no meio do caminho, as moças passaram por maus bocados. Gazin contou que, quando chamou um desenvolvedor para ajudar a criar seu e-commerce, ele acabou deletando tudo o que havia sido feito quando ela negou seu convite para um encontro amoroso. Um tempo depois, com o negócio no ar e funcionando, a dupla seguiu encontrando resistência por parte de desenvolvedores e designers para firmar parcerias com sua marca. Segundo as empresárias, as respostas costumavam ser vagas e demoradas, com um toque de desrespeito.

Foi aí que Gazin e Dwyer tiveram a ideia de criar uma espécie de alterego corporativo, chamado Keith, para ser o porta-voz de suas comunicações com potenciais parceiros. Elas contaram que a mudança aconteceu “da noite para o dia”: enquanto os e-mails assinados por uma das duas mulheres levavam dias para serem respondidos, as mensagens assinadas por Keith foram rapidamente respondidas, mas também em outro tom. Então, Keith continuou sendo o remetente dessas comunicações, e os resultados positivos começaram a chegar, mesmo que as propostas continuassem sendo elaboradas pela dupla de mulheres.

Buy this card, send it to yourself, and sign your Daddy's name. witchsy.com/bandofweirdos

A post shared by Witchsy (@shopwitchsy) on

Agora, Keith Mann foi aposentado, já que o negócio da dupla foi para frente e segue crescendo. Seu Instagram, por exemplo, que é uma vitrine para os produtos que a loja oferece (especialmente para o público mais jovem), já tem 45 mil seguidores, enquanto seu perfil no Facebook conta com mais de 7.100 curtidas.

Fonte: Fast Company