Teste de resistência do Axon 30 mostra câmera "assustadoramente" escondida

Teste de resistência do Axon 30 mostra câmera "assustadoramente" escondida

Por Vinícius Moschen | Editado por Wallace Moté | 16 de Agosto de 2021 às 17h42
Imagem: Divulgação/ZTE

A marca chinesa ZTE lançou o Axon 30 no dia 27 de julho, e não demorou muito para ele chamar a atenção por conta da sua segunda geração de câmera frontal abaixo da tela, ainda mais escondida do que a encontrada em seu antecessor Axon 20. Isso é possível graças à densidade de 400 pixels por polegada na área localizada exatamente acima da lente frontal. No total, a lente fica abaixo de sete camadas de materiais transparentes, e as imagens capturadas sofrem três tipos de processamento até o resultado final.

O aparelho passou recentemente pelo teste de durabilidade do YouTuber Zack Nelson, do canal JerryRigEverything. No vídeo, são detalhados alguns aspectos — e defeitos — dessa tecnologia. O Axon 30 sobreviveu aos testes de estresse, resistência a riscos e outros.

Qualidade de imagem é afetada

O espectador mais atento vai notar uma diferença na qualidade característica dos vídeos de Zack, logo nos primeiros segundos. Isso acontece porque o início é gravado diretamente da lente frontal do aparelho, com um aspecto "nebuloso". Apesar de não possuir uma imagem tão nítida quanto outros aparelhos da mesma faixa de preço, ele destaca que os resultados são satisfatórios, considerando a complexidade da tecnologia. A lente frontal possui 16MP, e filma em até 1080p a 30 quadros por segundo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Com a lente abaixo de 7 camadas de tela, a qualidade de imagem não é das mais nítidas (Imagem: YouTube/JerryRigEverything)

Uma característica bastante visível nas imagens da câmera frontal é a presença de manchas circulares nos momentos em que a lente é apontada para uma luz direta, como lâmpadas ou refletores. O efeito é similar ao que acontece quando a câmera fica suja.

O Axon 30 (à esquerda) traz um efeito que pode não agradar a muitos usuários (Imagem: YouTube/JerryRigEverything)

Tela com câmera invisível: "perigoso nas mãos erradas"

Com o display aceso, a câmera é visível somente sob circunstâncias muito específicas: nem mesmo um fundo branco é capaz de revelar a lente com clareza. Segundo Zack, "nas mãos erradas, ou em dispositivos errados, as câmeras abaixo da tela podem estar em qualquer lugar". O YouTuber se refere a possíveis usos mal intencionados da câmera, que podem se tornar um problema à medida em que a tecnologia se popularizar.

O Axon 30 é resistente a riscos até o nível 6 em uma escala de 2 a 9 no nível de dureza do material a arranhar a tela, um resultado frequente em aparelhos com tela comum de vidro. A área diretamente acima da câmera apresenta a mesma resistência, e o sensor de impressões digitais abaixo do display funciona mesmo após muitos riscos fundos.

Quando exposta ao fogo, a tela também tem um resultado padrão, aguentando por cerca de 20 segundos antes de surgir uma mancha branca irreversível.

O modelo possui tela AMOLED de 6,9 polegadas e resolução Full HD, com taxa de atualização de 120Hz.

Construção: plástico em todo o aparelho

Na sequência, Zack demonstra que tanto as laterais quanto a parte traseira do aparelho são construídas em plástico. O Axon 30 possui o nome do modelo inscrito na parte inferior, e muda de cor dependendo do ângulo visualizado. O aparelho em questão possui uma cor verde escura quase preta, bastante suscetível a marcas de impressão digital.

Somente a região das câmeras é revestida por vidro — no total são quatro lentes traseiras: uma principal de 64MP, em conjunto com uma ultrawide de 8MP, uma macro de 5MP e um sensor de profundidade de 2MP. Na parte inferior ele possui uma entrada USB-C, mas não tem entrada P2 para fones de ouvido.

Axon 30 possui quatro câmeras na traseira; principal tem 64MP (Imagem: YouTube/JerryRigEverything)

Teste de estresse: passa com sustos

Após ser submetido a testes de dobra, o aparelho mostrou uma flexibilidade grande e irreversível, sinais de uma certa falha de projeto. Mesmo assim, o aparelho funcionou corretamente depois do desafio, ainda que com um aspecto consideravelmente torto.

Mesmo entortando bastante, o aparelho não deixou de funcionar (Imagem: YouTube/JerryRigEverything)

Confira o vídeo completo:

sa

Fonte: Youtube: JerryRigEverything e ZTE

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.