Falha em software da Realtek compromete dispositivos de dezenas de fabricantes

Falha em software da Realtek compromete dispositivos de dezenas de fabricantes

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 26 de Agosto de 2021 às 19h20
Divulgação/Realtek

Uma falha no kit de desenvolvimento da companhia de semicondutores taiwanesa Realktek está sendo explorada ativamente por cibercriminosos, e coloca em risco dispositivos de dezenas de fabricantes ao redor do mundo. Segundo a empresa de segurança IoT Inspector, a brecha identificada com o código CVE-2021-35395 vem sendo alvo da botnet Mirai, especializada em comprometer a proteção de aparelhos conectados à internet.

A falha compromete mais de 200 dispositivos e roteadores Wi-Fi de 65 parceiros da Realtek, incluindo nomes como Asus, Belkin, China Mobile, D-Link, LG, Logitech, Netgear, ZTE e Zyxel. Um ataque bem-sucedido do Mirai dá ao atacante controle completo sobre o módulo de conexão do aparelho afetado, bem como controle sobre seu sistema operacional.

Os pesquisadores da IoT Inspector afirmam que a brecha explorada está presente no módulo RTL819xD da Realtek, permitindo que um atacante ganhe acesso completo ao dispositivo e a outros aparelhos que compartilham sua rede. Enquanto a fabricante já lançou um patch de correção, sua distribuição depende da cooperação de suas parceiras — um grande desafio, já que muitos dos produtos vulneráveis sequer possuem interfaces de atualização.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Enquanto um atacante interessado em explorar o problema geralmente precisa estar ligado à mesma conexão de internet que o aparelho vulnerável, configurações mal feitas também podem expô-lo a ações de forma remota. A empresa de segurança afirma que criminosos já estão explorando a brecha, cujo uso foi detectado em uma série de ataques remotos registrados no dia 18 de agosto.

Imagem: Divulgação/Realtek

A IoT Inspector também faz um alerta quanto à maneira como a Realtek desenvolve seus produtos e sistemas. Segundo ela, a fabricante possui processos inadequados para a criação e testes de softwares, o que permite que “dezenas de questões de segurança críticas permaneçam intocadas em seu banco de dados por mais de uma década”.

Botnet atua em ataques DDoS

Enquanto a botnet pode comprometer os dados pessoais armazenados nos dispositivos, seu real objetivo é transformar os aparelhos infectados em pontos de origem de ataques de negação de serviço distribuídos (DDoS). Os aparelhos transformados em “zumbis” da rede são acionados para enviar pedidos de conexão a sites específicos que, devido à alta demanda que enfrentam, acabam se tornando inacessíveis enquanto a campanha persiste.

A Mirai é uma velha conhecida dos pesquisadores de segurança, tendo sido responsável em 2016 por um ataque contra a Dyn, serviço que administrava plataformas como o Github, Playstation Newtwork e o Twitter. Na época, três hackers responsáveis por gerenciar a botnet foram presos, mas se livraram de ter que passar tempo na prisão por colaborar com o FBI na investigação da ofensiva e de outros golpes digitais.

Fonte: ZDNet

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.