Divulgação de dados na dark web cresceu 1.100% desde 2015

Divulgação de dados na dark web cresceu 1.100% desde 2015

Por Felipe Demartini | Editado por Jones Oliveira | 19 de Outubro de 2021 às 16h30

De beco escuro, a dark web tem se tornado cada vez mais uma avenida principal para cibercriminosos em busca de dados vazados ou ferramentas de ataque. Prova disso é um estudo da Bitglass que mostrou um aumento de 1.100% no compartilhamento de dados fora da superfície da rede ao longo dos últimos seis anos, com empresas de varejo e ligadas ao governo sendo as mais visadas pelos bandidos.

O levantamento feito pela empresa de segurança digital recria um experimento que já havia sido feito por ela em 2015 justamente para comparar os dados. Um conjunto falso de informações foi criado e publicado em diferentes fóruns cibercriminosos, de forma que o volume de acessos e compartilhamentos pudesse ser monitorado; o resultado foi a noção de que esse ritmo aumentou mais de 11 vezes em seis anos, com mais gente acessando a dark web e uma disseminação maior das informações obtidas por meios ilegais.

Os dados falsos eram de um dos tipos mais procurados pelos bandidos, com supostas credenciais de grandes empresas. De acordo com a Bitglass, foram 13,2 mil visualizações nas postagens originais apenas nos primeiros oito meses deste ano, contra 1,1 mil registradas em 2015 inteiro; segundo os especialistas, esse total foi atingido, desta vez, ainda no primeiro dia em que as publicações foram feitas.

O volume de pouco mais de uma dezena de milhares de visualizações pode parecer pouco na comparação com a superfície da web, mas quando se leva em conta que o acesso foi feito por indivíduos especializados, em fóruns criminosos da dark web, o total ganha contornos mais tensos. A expectativa, na visão da Bitglass, é que tais números apenas aumentem na medida em que o cibercrime como serviço ganha espaço e mais bandidos acessam os fóruns abaixo da rede comum.

37% dos cliques registrados no experimento vieram de volumes falsos que estariam relacionados a empresas de varejo, enquanto 32% foram registrados em pacotes teoricamente vinculados a organizações governamentais. Outros nichos também receberam atenção, enquanto estes, de maior gravidade, foram os que tiveram maior índice de acessos anonimizados (93%), uma demonstração, também, de que há uma preocupação maior dos atacantes em esconderem seus rastros — esse total era de 67% em 2015.

A conclusão da Bitglass é de que a dark web está se tornando um meio cada vez mais frutífero no compartilhamento de bancos de dados, que também são disseminados de forma cada vez mais ágil. O estudo também mostrou maior especialização do cibercrime, que na mesma medida em que escala seus ataques, também faz mais uso de ferramentas para que seus rastros não sejam obtidos pelas autoridades.

Fonte: Bitglass (Business Wire)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.