As fraudes recorrentes no setor privado de saúde

As fraudes recorrentes no setor privado de saúde

Por Eduardo Tardelli | 28 de Janeiro de 2021 às 11h00
PxHere

Começamos 2021 com o vazamento de milhões de imagens exclusivas armazenadas em mais de 2.140 servidores desprotegidos e exames médicos de 45 milhões de pacientes de hospitais e centros médicos de todo mundo, que foram expostos na internet. A informação foi revelada após uma investigação de seis meses, realizada pela equipe de pesquisa da CybelAngel, em sistemas NAS (Network- Attached Storage) e no protocolo DICOM (Digital Imaging and Communications in Medicine).

Com essas e outras fraudes, o setor de saúde privada brasileiro amarga prejuízos anuais na casa dos de R$ 20 bi, algo que é extremamente perigoso, pois abre precedentes para criminosos utilizarem-se das informações pessoais dos pacientes em práticas ilícitas — ferindo a LGPD e as leis internacionais de proteção de dados.

Ao comparar com demais países, entendemos que um dos motivos para tais destaques negativos é que o Brasil não investe o suficiente em práticas de compliance, governança corporativa, gestão de riscos e transparência. Faltam também novos projetos de lei, iniciativas interministeriais e privadas que visem o efetivo combate à corrupção e outros atos ilícitos prejudiciais ao setor.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Com isso, abrimos históricos perigosos para desvio de recursos que poderiam estar sendo utilizados para melhorar o atendimento da população, sanar a carência de equipamentos, materiais e outros insumos, contratar médicos, enfermeiros, auxiliares e outros tipos de profissionais com bons salários, entre outras consequências, principalmente quando falamos do setor público.

Por isso, é preciso fiscalizar os players e apresentar soluções que busquem a resolução dos problemas a fim de garantir uma melhor qualidade nos serviços. Neste contexto, cabe ao Poder Público a implementação de uma agenda que deve ser conduzida e foque na identificação das principais ações fraudulentas e seus impactos sobre a cadeia de valor da saúde.

Com estas informações, será possível ainda definir quais leis e projetos que estão em trâmite podem ser eficientes na resolução do problema no país, a exemplo da PL 221/15, que prevê a criminalização de condutas, tal como a corrupção privada entre o profissional de saúde em atividade e o fornecedor.

Outra ação importante que pode ser tomada pelo governo é adotar práticas que aumentem a transparência e segurança dos relacionamentos envolvidos por meio de compliance, background Check e exigência de compliance nas apurações dos prestadores de serviços, além de propiciar maior acesso à informação dos tratados e acordos por parte da população.

Na outra ponta, entre as instituições de saúde, é essencial a implementação de programas de compliance que garantam o cumprimento das leis e normas inerentes ao segmento. Para tanto, é preciso investir tempo, dinheiro e esforço, buscando práticas, profissionais, novas tecnologias e controles que otimizem os resultados — por serem procedimentos complexos, mas essenciais, pois podem causar danos irreversíveis aos pacientes e um prejuízo imenso à instituição. No âmbito da saúde, a implementação de um programa de compliance possibilita fazer inúmeras verificações de fornecedores, médicos e outros relacionamentos de forma ágil e assertiva.

Fraudes, conflitos de interesse, enriquecimento ilícito, processos criminais, comerciais e todo o histórico empresarial podem ser facilmente reconhecidos ou fornecidos por uma plataforma de mineração de dados eficaz, por exemplo. Dessa forma, gestores e analistas de compliance, RH ou gestão de riscos podem otimizar inúmeros processos e evitar riscos.

Assim, com o compliance e auxílio de tecnologias específicas, será possível diminuir a ocorrência de atos fraudulentos e evitar prejuízos financeiros, comerciais e reputacionais para as instituições privadas de saúde, além de conferir maior segurança aos usuários e pacientes. Todos ganham com a transparência.

*Artigo produzido por colunista com exclusividade ao Canaltech. O texto pode conter opiniões e análises que não necessariamente refletem a visão do Canaltech sobre o assunto.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.