Empresas brasileiras investem mais em segurança da informação

Por Redação | 07 de Fevereiro de 2014 às 19h20
photo_camera Divulgação

A EY Brasil (antiga Ernst & Young) divulgou essa semana os resultados de sua 16ª Pesquisa Anual Global sobre Segurança Cibernética. Os resultados trazem indicativos da preocupação de empresários brasileiros em relação à segurança de dados. O objetivo da pesquisa é identificar o nível de conscientização das empresas a respeito de ameaças virtuais e entender as ações adotadas para combater os problemas.

O levantamento foi feito com mil executivos espalhados por 64 países e os dados divulgados compreendem as impressões e expectativas das empresas brasileiras, mas também aponta informações levantadas globalmente.

Para 54,2% dos empresários brasileiros os riscos de ataques cibernéticos aumentaram no ano de 2013. Ao mesmo tempo, 62,2% das empresas declararam que vão ampliar seus investimentos em segurança da informação, enquanto 30,4% dizem que irão manter as estratégias já utilizadas no último ano.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O levantamento ainda indica que, no último ano, 90,2% das empresas brasileiras aumentaram ou mantiveram o investimento em segurança de dados. Ainda entre as companhias brasileiras, 33,7% indicaram que o investimento em segurança da informação é estabelecido na faixa de US$ 500 mil até US$ 2 milhões.

Dados globais

Globalmente, 83% dos participantes da pesquisa acreditam que a área de segurança de suas organizações é ineficaz e, por essa razão, 93% das empresas devem manter ou aumentar os investimentos em projetos de segurança. Além disso, 31% delas acreditam que, dentro de suas corporações, os problemas relacionados à segurança aumentaram ao menos 5% no ano passado.

14% do orçamento empresarial para 2014 destina-se a tecnologias emergentes e inovação em segurança. Os participantes da pesquisa indicaram a maior preocupação com a segurança dos dispositivos utilizados por funcionários também para atividades de suas vidas pessoais, como o acesso a redes sociais. Os empresários visualizam nisso um risco iminente de segurança.

Para Sergio Kogan, líder de Segurança da Informação da EY no Brasil, a conscientização dos empresários ainda não é condizente com os enormes riscos representados pelos crimes virtuais. “O crime cibernético é a maior ameaça à sobrevivência das organizações hoje. Embora uma parcela cada vez maior do orçamento venha sendo destinada à inovação em segurança, muitos profissionais da área ainda acreditam que seu orçamento não seja suficiente para lidar com riscos”, acredita.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.