Túmulo de Nefertari pode ser salvo graças à realidade virtual

Por Patrícia Gnipper | 09 de Julho de 2018 às 21h40
Curiosity Stream

Comparadas à italiana Capela Sistina, as pinturas do túmulo da rainha egípcia Nefertari são umas das mais belas do antigo Egito. Por isso, um grande número de pessoas já visitou o sítio histórico, mas, hoje em dia, o túmulo em questão, localizado no Vale das Rainhas, somente recebe pequenos grupos de visitantes. Isso porque a umidade que surge quando as pessoas entram acaba danificando as pinturas. Mas tudo pode estar a salvo graças à realidade virtual.

É que a Experius VR, em associação com o Curiosity Stream (serviço de streaming de documentários), passou dois dias no túmulo de Nefertari escaneando em 3D todos os ambientes e fotografando tudo em altíssima resolução para criar uma experiência completa em VR. Dessa maneira, é possível "visitar" o local sem prejudicá-lo, mantendo-o intacto para a posteridade.

O túmulo da rainha, que foi a esposa favorita do faraó Ramsés II, foi construído há cerca de 3.250 anos e, entre os anos de 1986 e 1992, o Instituto Getty, trabalhando com o Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, restaurou a tumba, que estava danificada com incrustações de sal, bactérias e fungos. Só que as visitas presenciais trazem umidade, que, por sua vez, pode levar ao aumento de bactérias e fungos no local.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Zahi Hawass, arqueólogo e ex-ministro de Estado de Antiguidades no Egito, conta que, quando iniciou o projeto de restauração com o Getty, foi contra a abertura do túmulo para visitação pública. Então, a equipe acabou concordando em abrir o local para visitas de pequenos grupos, que pagam uma taxa um tanto salgada para tal (mil libras egípcias, equivalente a US$ 56). Agora, Hawass acredita que "um tour virtual salvará o túmulo".

Elliott Mizroch, CEO e co-fundador da Experius VR, conta que sua equipe levou dois meses em fase de pós-produção, transformando a digitalização 3D e as fotografias em uma experiência imersiva de realidade virtual. Agora, o tour pode ser baixado gratuitamente no Steam, no Viveport e também no Curiosity Stream VR, sendo necessário um headset Vive para assisti-lo.

Ao fazer o tour, o visitante virtual pode se locomover pela tumba usando controles do headset e, se quiser mais informações sobre uma pintura dali, pode tocar na imagem para que um narrador forneça mais detalhes, fazendo as vezes de um guia turístico.

Fonte: LiveScience, Curiosity Stream

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.