Robôs começam a entregar encomendas em cidade dos EUA

Por Gustavo Minari | 31 de Março de 2021 às 17h54
Agility Robotics

Imagine esta situação: você está em casa, a campainha toca e, ao abrir a porta, tem um robô segurando a caixa do produto que você acabou de comprar pela internet. O serviço de entrega do futuro parece coisa de ficção científica, mas já está em fase de testes na cidade de Albany, nos EUA.

O Digit foi desenvolvido pela Agility Robotics, empresa especializada em fabricar robôs humanoides com braços e pernas funcionais. No dia a dia, ele é capaz de carregar pacotes com até 18 kg sem reclamar. Câmeras e sensores de movimento ajudam o "entregador" a vencer barreiras e obstáculos para que as encomendas cheguem intactas ao seu destino.

Digit em ação carregando caixas de até 18 kg (Imagem: Reprodução/Agility Robotics)

Os moradores de Albany, que tem cerca de 55 mil habitantes, já se acostumaram a ver os engenheiros da Agility caminhando com os robôs pelas ruas da cidade. A ideia é aprimorar o senso de direção deles, além de promover essa “interação” com as pessoas.

“Para que esses robôs façam parte da sociedade você precisa se sentir confortável com a presença deles”, diz o fundador da empresa Jonathan Hurst.

Delivery do futuro

A procura por sistemas de entregas rápidas e gratuitas aumentou consideravelmente nos últimos anos. Nos EUA, 16 empresas já têm frotas de veículos que dispensam motoristas para reduzir os custos com empregados de carne e osso.

O grande problema dessas entregas é que elas ficam restritas a acontecer na calçada, fazendo com que o comprador tenha que ir até lá para pegar a mercadoria. Usando o Digit, o delivery poderia ser personalizado, com o robô indo até a porta para entregar o produto.

A Ford já mostrou interesse em agregar os robôs à sua frota de veículos autônomos. Até agora são dois novos “funcionários” que trabalham separando os produtos no depósito da empresa e também na rua, fazendo as entregas.

Veja:

Folha de pagamento

Apesar de não receber um salário, o Digit não é barato e cada unidade custa US$ 250 mil (cerca de R$ 1,3 milhão), fora os gastos com manutenção. A Agility espera construir 40 robôs até o final do ano e a produção em grande escala pode ajudar a reduzir o preço do Digit para algo em torno de US$ 70 mil (R$ 400 mil).

O Digit vale mais do que um carro de luxo (Imagem: Reprodução/Agility Robotics

O investimento, por enquanto, está restrito a grandes empresas do ramo que precisam encontrar soluções, que a médio e longo prazo, possam se tornar economicamente viáveis para substituir mão de obra humana por empregados cibernéticos.

Você confiaria?

Um robô com braços e pernas circulando por aí ainda é uma cena que só estamos acostumados a ver no cinema, em situações que nem sempre acabam bem. Imagine como seria esbarrar com drones, androides e máquinas humanoides em cada esquina, desempenhando todo e qualquer tipo de atividades que antes eram exclusivas dos seres humanos.

Será que a mudança vale a pena para termos um serviço de entregas mais rápido, seguro e eficiente? A proliferação de robôs pode causar desemprego e pior a qualidade de vida entre humanos ou vai trazer um bem-estar geral melhor para a humanidade? Você gostaria que um robô entregasse sua próxima encomenda? Comente.

Fonte: KWA, Agility Robotics

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.