Usuários do Snapchat voltam a crescer, mas prejuízo ainda é grande

Usuários do Snapchat voltam a crescer, mas prejuízo ainda é grande

Por Diego Sousa | 22 de Julho de 2020 às 23h45
Snapchat

A Snap Inc., empresa controladora do Snapchat, divulgou nesta semana seus resultados financeiros referentes ao segundo trimestre deste ano. Durante os últimos três meses, o aplicativo registrou um aumento de 17% no número de usuários ativos e na receita em relação ao mesmo período do ano passado, mas o prejuízo líquido aumentou em quase US$ 100 milhões (R$ 500 milhões).

Os resultados são até que animadores para a empresa. Foram US$ 454 milhões (R$ 2,3 bilhões) arrecadados entre abril, maio e junho deste ano, um aumento de 17% quando comparado com os US$ 377 milhões (R$ 1,9 bilhões) feitos no segundo trimestre de 2019.

Além disso, o Snapchat teve 238 milhões de usuários ativos durante os últimos três meses, 35 milhões a mais que os resultados alcançados no ano passado. Foi reportado também que os usuários abriram o aplicativo, em média, quase 30 vezes por dia. De acordo com as informações, a média de pessoas que assistiram a shows na plataforma aumentou 40% em relação ao ano anterior.

Prejuízo

Apesar dos números bastante animadores, ainda há muito caminho pela frente. A empresa fechou o segundo trimestre de 2020 com um prejuízo líquido, ou seja, o prejuízo restante depois que todo o custo e as despesas (incluindo impostos) são compensadas da receita total de um determinado período, de US$ 326 milhões (US$ 1,6 bilhões), cerca de US$ 71 milhões (R$ 363 milhões) a mais quando comparado com 2019.

Além disso, após o fechamento do mercado, as ações da Snap Inc. caíram cerca de 6%. Diretor financeiro da Snap Inc., Derek Anderson afirmou que o salto que o Snapchat recebeu se deu devido à pandemia no novo coronavírus (SARS-CoV-2). No entanto, o executivo observou que as coisas ainda não voltaram ao normal e não há previsão de como serão os resultados do trimestre atual, agora que as medidas de isolamento estão ficando menos rigorosas.

"À medida que as pessoas procuravam formas para se manterem conectadas e entretidas em casa, observamos um aumento no número de usuários ativos. Esse crescimento inicial se dissipou mais rápido do que previsto", disse.

Estratégia para o futuro

Segundo o executivo, a demanda por publicidade tem sido historicamente reforçada em relação aos anos anteriores, uma vez que a temporada de volta às aulas, os horários de lançamentos de filmes e as operações de ligas esportivas sofreram uma diminuição considerável devido à pandemia de COVID-19.

Outra novidade para conquistar os usuários nos próximos meses é a parceria com estúdios e canais de esportes e notícias para produzir conteúdos. Entre as parcerias já confirmadas estão: Disney, ESPN, NBC, ViacomCBS, NBA e NFL.

Fonte: Bloomberg  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.