Controlar a privacidade é parte do acordo entre redes sociais e usuários

Por Colaborador externo | 06 de Abril de 2018 às 13h51
photo_camera Khakimullin

*Por Carlos Castañeda

Se você usa serviços de redes sociais como o Facebook, deve saber que muitos dos comportamentos e detalhes da sua vida pessoal e cotidiana vão compor informações que serão armazenadas em algum lugar. Tudo o que é publicado sobre sua família, amigos, educação, política, hábitos de viagem, gostos de roupas, conexões com dispositivos se torna matéria-prima a ser analisada por terceiros para identificar padrões e determinar comportamentos futuros.

Por esse motivo, as preocupações com privacidade e os controles aplicados às informações compartilhadas pelos usuários devem ser tratados com grande cuidado. Os usuários podem notar que o Facebook atualiza constantemente suas políticas e configurações relacionadas à privacidade. No entanto, às vezes, as informações contidas nos perfis dos usuários não são administradas da melhor maneira pela rede social.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Em 2014, 270 mil pessoas foram aparentemente convidadas a fazer um teste online por um aplicativo chamado "thisisyourdigitallife", desenvolvido por um pesquisador da Universidade de Cambridge. Durante o uso do aplicativo, o usuário - conscientemente ou não - dava consentimento para coletar informações sobre os seus amigos, permitindo acesso a dados de mais de 50 milhões de perfis.

Com essa situação, ficou evidente que os usuários devem lembrar que são produtos dentro desse serviço. Apesar disso, eles têm a possibilidade de restringir as informações que desejam compartilhar com terceiros, sabendo que essa permissão também será parte de suas responsabilidades. Existem algumas práticas que podem ser úteis para ajudar a proteger os dados dos usuários:

  1. Revise com frequência quais aplicativos usam a conta do Facebook para fazer login em sites, jogos ou aplicativos de terceiros, pois esses serviços podem continuar acessando dados pessoais se a conexão não for barrada.
  2. Verifique regularmente a configuração de privacidade da conta do Facebook. Se você quiser saber quais detalhes seus e de seus amigos os aplicativos podem ter acesso, essa é uma boa hora para analisar as permissões e reduzir o volume de informações compartilhadas publicamente.
  3. Leia com atenção (e de forma muito rigorosa) as políticas de privacidade dos serviços em que você se inscreve ou quais aplicativos são instalados usando sua conta do Facebook. Ao se registrar em um novo app, sempre leia os termos do serviço, preste especial atenção à política de privacidade e verifique se os dados contidos no perfil podem ser compartilhados com terceiros.
  4. Exclua periodicamente os dados de navegação. Cada navegador tem seu próprio mecanismo para excluir os dados gerados durante a navegação. Também é aconselhável usar a navegação no modo anônimo.
    Evite usar aplicativos de empresas desconhecidas. No caso da aplicação "thisisyourdigitallife", as letras miúdas diziam que as informações coletadas eram para uso acadêmico, não comercial.

A proteção de nossa vida online também é parte de nossa responsabilidade como usuário e é por isso que não podemos esquecer em nenhum momento a enorme quantidade de informações que são compartilhadas com o mundo exterior por meio das redes sociais.

*Carlos Castañeda é especialista em segurança da Unisys América Latina

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.