Comércio brasileiro de HQs recorre à tecnologia para enfrentar o coronavírus

Por Claudio Yuge | 01 de Abril de 2020 às 10h20
Itiban

O mercado editorial brasileiro já está resistindo a uma crise há alguns anos, com o fechamento de grandes livrarias, como a rede Fnac, e a dificuldade de grupos que antes eram líderes nas bancas, a exemplo da Editora Abril. A alta do dólar e as dificuldades de distribuição já vinham dificultando a vida de vários comerciantes e agora, com a pandemia global do coronavírus, como fica a venda de quadrinhos no Brasil?

Embora o e-commerce desses produtos já exista há anos, a coisa ficou complicada para os donos de negócios menores porque esse serviço não é considerado essencial — e bem, grande parte dos clientes mais fieis apreciam a convivência com os proprietários e a comunidade de leitores e jogadores de cardgames e Role Playing Games.

Imagem: Divulgação/Itiban Comic Shop

A Itiban Comic Shop, em Curitiba, por exemplo, tem recorrido a kits de produtos com desconto para os nichos de consumidores. Conjuntos de cardgames ou livros para crianças são encomendados via redes sociais e WhatsApp e entregues nas casas dos consumidores com uma taxa mínima de entrega — tudo muito bem higienizado, o que é muito importante neste momento.

Aliás, a tecnologia tem sido importante neste momento de distanciamento social. O encontro semanal do clube de leitura da loja, o ItiClub, em vez de ser realizado presencialmente, aconteceu por meio da gravação de cada participante comentando suas impressões sobre A Mão do Pintor, da argentina Maria Luque.

A Comix Book Shop, em São Paulo, também aposta em descontos expressivos, de até 50%, e frete grátis para tentar manter as vendas enquanto as pessoas estão no isolamento.

Editoras refazem planejamento

A situação na impressão e envio do material também ficou mais complicada, obrigando as grandes editoras a repensarem o cronograma da temporada. A Panini Comics precisou ajustar o lançamento de títulos atrelados às estreias de filmes, a exemplo de Novos Mutantes, Viúva Negra e Mulher-Maravilha. Para contribuir com a corrente de solidariedade que oferece conteúdo grátis para quem tem que ficar em casa, a companhia disponibilizou alguns quadrinhos da Marvel e mangás na faixa para leitura em plataformas digitais.

A Mythos Editora anunciou que vai paralisar as atividades em abril, maio e junho e muitas entregas só vão acontecer no segundo semestre. O grupo também deve recorrer à tecnologia para se manter próximo aos lojistas e leitores, com links de compra, resenhas, entre outras ações. Uma dessas frentes é o uso do Issuu, que permite a visualização online de trechos ou histórias completas — você pode ler Guerra Total, de Judge Dredd, por completo, por exemplo.

Imagem: Divulgação/Devir Livraria

A Devir e a Mino, que estão com novos volume de A Liga Extraordinária e Estranhos no Paraíso e seis livros do projeto Narrativas Periféricas, respectivamente, ficam na dependência do funcionamento das gráficas, distribuidoras e, principalmente, das comic shops — afinal, se não há onde expor, fica mais difícil chegar até os consumidores.

Quadrinhos na Cia., Nemo, Veneta, DarkSide Books, Planeta DeAgostini, Comix Zone, Pipoca & Nanquim, entre outras também decidiram interromper seus lançamentos e remessas pelo menos até maio. Todo o cronograma foi afetado e só deveremos ver a retomada do calendário de maneira mais uniforme no segundo semestre.

Com informações do Universo HQ

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.