Lista de e-commerces não indicados pelo Procon cresce e já chega a 300 endereços

Por Redação | 29 de Outubro de 2013 às 15h04
Divulgação

As festas de Natal e Ano Novo sempre trazem oportunidades para gastar menos e comprar bons presentes. Mas também é uma das épocas que você precisa ficar de olho para não cair em golpes, principalmente se você costuma fazer compras pela internet.

Para reforçar a segurança online dos consumidores, o Procon-SP atualizou a chamada "lista negra" da internet, que agora conta com 323 páginas que não devem ser acessadas na hora de comprar qualquer produto pela web. Você pode ver a lista completa clicando aqui.

Só em 2013, o órgão de defesa do consumidor adicionou à lista cerca de 100 estabelecimentos fradulentos. De setembro até o começo de outubro, 18 novas páginas foram acrescentadas ao levantamento do Procon.

Assista Agora: Descubra o jeito certo de criar verdadeiros times de alta-performance e ter a empresa inteira focada em uma única direção.

A instituição considera como impróprios para operação os sites que recebem várias reclamações e não respondem ao cliente, ou aqueles que não oferecem um canal de atendimento ao usuário. Uma pesquisa recente feita pelo órgão concluiu que muitas dessas lojas não possuem nem mesmo o CNPJ.

Vale lembrar que a lista traz lojas adicionadas nos últimos dois anos e, por isso, algumas já podem estar fora do ar. O Procon deve colocar mais estabelecimentos até o final do ano, já que empresas como JFD Eletrônicos e Barato A Jato, apontadas como fradulentas, ainda estão na ativa.

Em todo caso, você consumidor precisa ficar atento aos preços praticados em todas as lojas virtuais, sejam elas famosas ou desconhecidas. É importante checar em sites como Reclame Aqui e até nas redes sociais, como Twitter e Facebook, qual a reputação daquela companhia – se tem muitas reclamações, se entrega o produto dentro do prazo, se não pratica preços abusivos, entre outras características.

Além disso, sempre desconfie de valores muito baixos em relação a outras lojas online e locais que oferecem apenas uma forma de pagamento (via boleto online ou só pelo cartão de crédito, por exemplo).

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.