Rumor | ARM também está “suspendendo negócios” com a Huawei

Por Rafael Arbulu | 22 de Maio de 2019 às 11h40

Mais uma empresa abandonou o barco da Huawei, segundo informações publicadas em uma reportagem da BBC. Um memorando enviado via e-mail aos funcionários da fabricante britânica de chipsets ARM comunica que a empresa está “suspendendo negócios” com a gigante chinesa, ordenando “a paralisação de todos os contratos ativos, licenciamentos de suporte e compromissos pendentes” entre as duas companhias, em concordância com a ordem executiva emitida pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na última semana.

A ordem executiva rege que empresas americanas parem de fazer negócios com a Huawei, acusando a companhia de espionagem industrial devido aos seus fortes laços com o governo da China. Google, Intel e Qualcomm já acataram a ordem no último dia 20. Já a Microsoft suspendeu a venda de produtos da Huawei em suas lojas, mas ainda não se posicionou se cortará o licenciamento da empresa para o Windows.

O caso da ARM representa a primeira empresa da Europa a acatar a ordem emitida pelos americanos: embora a empresa seja sediada no Reino Unido, muito do design de seus produtos podem ser considerados “de origem americana”, o que a leva a crer que as imposições da ordem executiva também valem para ela.

O processador Huawei Kirin 980 deve muito de sua confecção à tecnologia da ARM: empresa britânica estaria passando comunicados internos para paralisar negócios com a gigante chinesa

Segundo o memorando obtido pela BBC, a gestão da ARM pede que funcionários cessem todas as interações não apenas com a Huawei, mas também com suas subsidiárias — o que inclui a fabricante de smartphones Honor.

O documento recomenda que os empregados enviem uma nota informativa diretamente aos colaboradores da Huawei, explicando que “devido à uma infortúnia situação, a ARM não terá mais permissão para oferecer suporte, entrega de tecnologias (sejam elas software, código ou outras atualizações), nem engajar em discussões técnicas ou tratar de assuntos técnicos com a Huawei, HiSilicon ou qualquer outra entidade”.

Também há a orientação de que, em casos de encontros diretos entre funcionários de ambas as empresas durante eventos e ocasiões do tipo, equipes da ARM deverão “educadamente recusar-se e pararem” de responder a quaisquer interações, sob risco de “ser pessoalmente responsabilizado por quebra de regras de comércio”.

A Huawei e a ARM possuem uma relação comercial sólida graças à produção do processador Kirin. O chipset, incorporado em quase todos os smartphones da Huawei e da Honor, usa tecnologia da ARM em sua confecção. Até mesmo o modelo mais recente, Kirin 980, se vale de alguns materiais da ARM. Se as informações da BBC se confirmarem, isso pode trazer um impacto mais sério à divisão de smartphones e dispositivos mobile da Huawei.

Fonte: BBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.