OLX Brasil compra empresa de imóveis Zap por R$ 2,9 bilhões

Por Claudio Yuge | 04 de Março de 2020 às 13h37
OLX
Tudo sobre

OLX Brasil

Saiba tudo sobre OLX Brasil

Ver mais

A startup de anúncio de imóveis online Zap, que há alguns anos era cotada a se tornar uma das novas empresas unicórnio (com valor de mercado acima de US$ 1 bilhão) no cenário brasileiro, foi adquirida nesta terça-feira (03) pela empresa de classificados online OLX Brasil. O negócio custou R$ 2,9 milhões, que serão pagos em dinheiro, e será assessorado pela JP Morgan e pela Allen & Company.

Em comunicado enviado à imprensa, a OLX adiantou que espera aumentar a participação no setor de imóveis, especialmente porque o Brasil vive “queda na taxa de juros e muito potencial de crescimento”. "Estamos na vanguarda para que a cadeia de valor de imóveis seja mais digital. Com a transação, vamos tornar os processos de compra, venda e aluguel de imóveis mais seguros, simples e eficientes", disse Andries Oudshoorn, presidente executivo do braço nacional do grupo.

Imagem: Divulgação/Zap Imóveis

Como toda compra, ainda depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). Até a resolução, as duas empresas funcionarão de forma independente. Após a confirmação, a plataforma terá mais de 12 milhões de anúncios de imóveis e cerca de 40 mil agentes imobiliários parceiros em todo o território nacional.

Mercado de imóveis aquecido

Fundada em 2006 na Argentina por Fabrice Grinda e Alejandro Oxenford, a OLX hoje é controlado pelo Prosus, grupo com sede em Amsterdã, na Holanda, e controlada pela sul-africana Naspers. Em todo o mundo, o grupo tem mais de 20 marcas diferentes e cerca de 300 milhões de usuários. Por aqui, a OLX Brasil é uma joint-venture entre o Prosus e a Adevinta, da norueguesa Schibsted.

Já o Grupo Zap é o resultado da fusão entre o Zap Imóveis e o Viva Real, dois serviços de classificados de imóveis brasileiros. Criado em 2000, com participação do Estado e do Grupo Globo, o Zap Imóveis atualmente é controlado indiretamente por acionistas da Globo. O Estado vendeu sua participação em 2012. Em 2018, a plataforma teve receita total de R$ 217 milhões. Cotado para se tornar um novo unicórnio, o valor de aquisição, porém, não foi suficiente para isso.

Imagem: Divulgação/QuintoAndar

Vale destacar que o setor de imóveis anda aquecido nas duas últimas temporadas. O QuintoAndar, que intermedia aluguéis residenciais, e a Loft, que faz compra, reforma e revenda de apartamentos em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, receberam rodadas de investimentos na casa das centenas de milhões de dólares e recentemente se tornaram unicórnios.

Fonte: Terra  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.