Amazon estaria vigiando funcionários em grupos do Facebook

Por Felipe Ribeiro | 03 de Setembro de 2020 às 10h16
Pascal Rossignol/ Reuters
Tudo sobre

Amazon

Saiba tudo sobre Amazon

Ver mais

Constantemente acusada por funcionários e pela comunidade tecnológica por práticas agressivas de mercado e condições de trabalho, a Amazon se vê, novamente, em uma polêmica com contornos misteriosos. De acordo a Vice, a gigante do varejo estaria fazendo uma espécie de investigação secreta em grupos de funcionários no Facebook, mais especificamente na divisão Flex, que compreende entregadores e motoristas.

Essa ação seria feita por funcionários específicos, que são alocados pela empresa em grupos criados por trabalhadores que constantemente reclamam das condições de trabalho. De modo simples, em um primeiro momento, a Amazon poderia fazer uso dessa ferramenta para descobrir bugs em seu aplicativo, ver como melhorar o serviço e coisas desse tipo, mas, ao que tudo indica, ela está averiguando temas mais complicados, como planejamentos de greve, por exemplo.

A varejista norte-americana é conhecida por adotar táticas agressivas contra trabalhadores que tentam se organizar ou protestar. Há casos de funcionários que lideraram greves ou até enviaram críticas à empresa no Twitter e foram desligados do quadro de colaboradores na sequência. Também corre o boato de que a empresa mantém uma espécie de gráfico para rastrear o sentimento dos funcionários e sua simpatia por sindicatos.

Documentos revelam que a Amazon monitora seus funcionários no Facebook/ Imagem: Vice

Algo que pode corroborar com essa investigação sobre a conduta da Amazon no Facebook é que, nesta semana, foram publicadas vagas de emprego para funções como "analista de inteligência", que teriam como função monitorar "ameaças à organização do trabalho". A Amazon removeu rapidamente as listagens e disse que elas foram postadas por engano.

Quem são esses motoristas?

Os motoristas do Amazon Flex não são funcionários oficiais da companhia, mas trabalhadores autônomos que fazem entregas em seus próprios veículos. Eles são pagos em blocos por hora e a Amazon diz que eles ganham entre US$ 18 e US$ 25 por hora, dependendo das gorjetas e do número de entregas que fazem. Esses profissionais não recebem benefícios como seguro saúde ou auxílio-doença, estes disponíveis para funcionários em tempo integral.

De acordo com os documentos compartilhados pela Vice, o monitoramento de mídia social da Amazon para motoristas Flex cobre dezenas de grupos nos EUA, Reino Unido e Espanha. Isso inclui páginas privadas do Facebook, como “Amazon Flex Las Vegas” e “Official Amazon Flex Drivers of Portland”.

Fonte: The Verge, Vice

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.