Extensões instaladas fora da Chrome Store agora serão barradas pelo Google

Por Redação | 28 de Maio de 2014 às 13h16

Continuando seus trabalhos para “cercar o jardim” do ecossistema de expansões para o Google Chrome, a empresa está bloqueando a instalação de expansões para o navegador fora de sua loja oficial. Além disso, complementos obtidos dessa maneira também serão bloqueados automaticamente por meio de uma atualização liberada para todos os usuários do aplicativo.

Por enquanto, a mudança vale apenas para a versão Windows do browser, mas deve chegar em breve também a outros sistemas operacionais. A partir de agora, apenas desenvolvedores poderão realizar a instalação direta de extensões, já que, para eles, esse uso é relacionado aos testes de suas soluções e não a um uso prático.

A mudança já havia sido anunciada pelo Google em novembro do ano passado e vem para garantir mais segurança a seus usuários. De acordo com a empresa, a ideia é evitar que malwares se passem por extensões legítimas e acabem se instalando no computador de usuários incautos. O uso de malwares disfarçados de soluções legítimas é uma das principais maneiras usadas pelos criminosos para ludibriar suas vítimas.

Na visão do Google, a alteração nas políticas garante mais proteção já que todos os complementos registrados na sua loja passam por um processo de verificação que garante sua autenticidade e funcionamento. É por isso que não apenas as instalações externas como também os complementos já obtidos dessa maneira serão desativados. Todos poderão ser reinstalados caso estejam disponíveis na Chrome Web Store.

Extensões certificadas ainda poderão ser acessadas e instaladas a partir dos sites de seus desenvolvedores, mas, agora, o link para download deve vir diretamente da loja do navegador. É a forma que a empresa encontrou para não mudar a forma de atuação de parceiros de longa data como o Evernote, por exemplo, na mesma medida em que faz valer suas novas políticas de segurança.

Apesar de ser uma notória apoiadora da internet livre de amarras, o Google lembra a seus usuários que as ameaças constituídas por malwares representam um perigo real e, sendo assim, levaram a empresa a realizar tais mudanças. Apesar da modificação, a companhia convida todos os desenvolvedores a submeterem suas extensões ao processo de avaliação para que seus usuários possam continuar tendo acesso livre às funcionalidades oferecidas por eles.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.