Uber sabia que ex-executivo roubou documentos confidenciais da Waymo

Por Redação | 03 de Outubro de 2017 às 15h53

A todo momento, um novo capítulo surge na "novela" que exibe a batalha judicial entre Uber e Waymo. Agora, informações reveladas à imprensa internacional dizem que a Uber tinha, sim, conhecimento de que seu ex-executivo, Anthony Levandowski, havia roubado documentos confidenciais da rival, contrariando o posicionamento oficial da companhia que dizia não ter conhecimento do "causo".

Quem revelou a informação foi a empresa Stroz Friedberg, que participou das negociações para a aquisição da Otto (startup de veículos autônomos de Levandowski que foi fundida com a Uber), e os advogados da Waymo decidiram tornar pública a revelação de que a empresa então chefiada por Travis Kalanick sabia do roubo de milhares de documentos pelo menos dois meses antes de decidir demitir o ex-executivo.

Segundo o relatório, Levandowski teve acesso a arquivos de design de projetos de carros autônomos da Google, bem como códigos-fonte, e-mails, apresentações, softwares e fotos. Assim que o roubo foi descoberto, o executivo apagou todos os registros da documentação, mas ainda não se sabe se ele agiu sozinho, ou se foi acobertado por outros funcionários.

Por conta disso, a Google está processando a Uber por ter roubado patentes e segredos comerciais da Waymo, exigindo que a empresa do aplicativo de transporte particular pague pelo menos US$ 1,9 bilhão em danos.

Fonte: Wired

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.