Taxistas protestam contra o Uber em frente à Câmara Municipal de São Paulo

Por Redação | 09 de Setembro de 2015 às 18h16
photo_camera Paulo Pinto/Fotos Públicas

O embate "taxistas versus Uber" ganhou um novo episódio nesta quarta-feira (9), quando os profissionais bloquearam a rua em frente à Câmara Municipal de São Paulo. A reivindicação da categoria é que os vereadores paulistanos votem para aprovar o Projeto de Lei 349 de 2014, que proíbe o uso de veículos particulares no transporte remunerado.

Assim, ficaria garantida a exclusividade dos taxistas em cobrar para transportar pessoas, inviabilizando de vez o Uber na capital paulista. Marcada para a tarde de hoje, esta é a segunda votação do tema, que já foi pauta em junho deste ano, quando foi aprovado em primeira votação.

Os taxistas usaram carros de som, cornetas e fogos de artifício para protestar. Além disso, estacionaram seus veículos na rua para chamar ainda mais atenção à sua causa. Dentro da Câmara, os motoristas contam com aliados, como é o caso do vereador Adilson Amadeu (PTB), que considera o Uber ilegal.

Embate quase sem fim

“A Lei 12.587/12, que trata da Política Nacional de Mobilidade Urbana, não prevê o transporte privado individual. Em contrapartida, reconhece a relevância do transporte público individual, definido como um serviço remunerado, aberto ao público, por intermédio de veículo de aluguel para a realização de viagens individualizadas. O Uber não preenche esses requisitos”, informa o texto elaborado pela assessoria do vereador.

Em contrapartida, Daniel Mangabeira, representante do Uber, defende o aplicativo, afirmando que ele é um modelo complementar e pode coexistir com qualquer outro tipo de transporte público existente na cidade. Conforme relata a EBC, Mangabeira participou da tumultuada sessão realizada em 10 de agosto.

Protesto contra Uber

Taxistas protestam contra o Uber em São Paulo. (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas)

Voz única em favor do Uber dentro da casa legislativa de São Paulo, o vereador José Police Neto foi o único a favor do aplicativo na primeira votação. Ele é autor de um PL que regulamenta o compartilhamento de veículos na cidade e, novamente, irá defender a legalidade do Uber.

"Não podemos simplesmente dizer não às novas tecnologias e vetá-las. Precisamos discuti-las e regulamentá-las. Enquanto o mundo discute o compartilhamento de veículos, a maior cidade do Brasil vai regredir em mobilidade. Seria lamentável se isso ocorresse", afirmou o vereador em conversa com o UOL.

Até a publicação desta notícia, a sessão na Câmara Municipal ainda não tinha sido finalizada. Caso o PL 349/2014 seja aprovado, é preciso ainda que o prefeito Fernando Haddad sancione a lei para que ela entre em vigor.

Uber responde com viagens gratuitas

De acordo com reportagem do G1 São Paulo, o Uber respondeu aos ataques dos taxistas oferecendo viagens gratuitas a seus clientes durante a realização dos protestos na tarde desta quarta-feira. Segundo a assessoria do aplicativo, durante as 13h e 16h de hoje, clientes que usassem o código promocional SPNÃOPARA teriam direito a duas viagens no valor total de R$ 50.

RJ: Uber propõe que motoristas paguem taxas

Em audiência pública realizada na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) nesta quarta-feira (9), o representante do Uber Daniel Mangabeira defendeu a criação de uma taxa a ser paga pelos motoristas cadastrados no aplicativo. O dinheiro serviria para bancar melhorias no transporte público na capital fluminense.

Mangabeira defendeu a posição, afirmando que medida semelhante já existe na Cidade do México, onde o funcionamento do app já foi regulamentado. O executivo, porém, sofreu a oposição do secretário estadual de transportes Carlos Roberto Osorio e do presidente Associação de Assistência aos Motoristas de Táxi, André Vieira.

Em 25 de agosto deste ano, a Câmara Municipal carioca aprovou o PL 122/25, que proíbe o funcionamento do Uber na cidade. Agora, a lei precisa ser sancionada pelo prefeito Eduardo Paes para entrar em vigor.

Fontes: EBC, UOL, G1 São Paulo, Veja Rio