Na pandemia, líderes de TI passaram a cuidar da experiência dos funcionários

Na pandemia, líderes de TI passaram a cuidar da experiência dos funcionários

Por Redação | 29 de Junho de 2021 às 09h00 PUBLIEDITORIAL
Pixabay

Liderar uma equipe em uma empresa requer habilidades técnicas, cognitivas, afetivas e interpessoais, mas o papel do responsável por essa tarefa está em constante adaptação. Durante a pandemia de COVID-19, um dos segmentos mais exigidos foi o de tecnologia da informação (TI) e isso fez as atribuições do líder de TI passarem por transformações.

Esses profissionais precisaram incorporar alguns conceitos para superar os desafios impostos pela emergência mundial de saúde. Um estudo conduzido pela Forrester Consulting, a pedido da empresa de análise e busca de dados Elastic, aponta, como uma de suas principais conclusões, que a experiência do funcionário é um dos aspectos-chave para manter a competitividade de uma companhia.

E os CIOs, os chefes responsáveis pelo setor de TI, tiveram de se adaptar rapidamente a esse contexto, já que as equipes foram deslocadas do ambiente físico da empresa e, nesse espaço alternativo, passaram a ter outras necessidades. Coube aos líderes garantir que a colaboração, a conexão e o engajamento dos funcionários não sofressem.

Mais da metade (57%) dos mil entrevistados pela Forrester na pesquisa avalia que oferecer aos profissionais a possibilidade de trabalhar de forma remota e flexível melhora a capacidade de adaptação da empresa. Por isso, 60% deles já investem na experiência do funcionário para melhorar a produtividade e o desempenho dos colaboradores.

Imagem: Reprodução/Elements/Vladdeep

Kim Huffmann, vice-presidente global de TI da Elastic, avalia que as lições aprendidas nesse período devem ser usadas para repensar a função dos CIOs daqui para a frente. “A experiência do funcionário sempre foi uma prioridade para nós”, conta. “O impacto da COVID-19 nos levou a adotar novas ferramentas e práticas que pretendemos manter mesmo que o vírus desaparecesse hoje.”

Para a executiva, cuidar das pessoas é essencial para ter uma empresa capaz de se adaptar rapidamente quando necessário. E isso ficou mais difícil no contexto da pandemia: embora o trabalho remoto já existisse, só agora ficou claro como ele de fato ocorre. Os resultados desse experimento forçado foram positivos e permitiram desmistificar uma das preocupações da adoção do home office: a produtividade muitas vezes é até melhor do que no modelo tradicional.

Desafios enfrentados

As mudanças impostas pela pandemia foram além do deslocamento da equipe para um novo sistema de trabalho. No universo da TI, por exemplo, a pressão aumentou com o crescimento das ameaças digitais — que buscavam atrair vítimas com ofertas falsas de auxílio relacionadas à pandemia. “Na Elastic, oferecemos treinamento sobre o tema e implantamos soluções para garantir o gerenciamento desses riscos de forma mais efetiva”, destaca Kim.

A proteção dos dados da empresa foi amplamente afetada com o advento da pandemia. Isso porque os profissionais precisam ter acesso aos sistemas e às informações da companhia do lugar que escolherem para trabalhar — a ideia é ajudá-los a desempenhar suas funções de forma satisfatória e produtiva.

Por tudo isso, a experiência do funcionário deve ter papel central na estratégia da organização. A melhor forma de fazer isso é colocar as pessoas no centro das decisões de tecnologia. Não à toa, 57% dos participantes do levantamento afirmam que têm trabalhado em colaboração com os líderes de recursos humanos. Ou seja, chegaram a hora e a vez da liderança empática. E isso não tem, necessariamente, de ser caro: é preciso, ao contrário, assegurar que se está fazendo os melhores investimentos.

Com isso em mente, a Elastic passou a oferecer o Workplace Search para seus colaboradores. “Essa ferramenta unifica todas as plataformas de conteúdo [o que inclui o Google Drive, o Slack e o Salesforce, por exemplo] para ajudar os profissionais a encontrarem o que precisam mais facilmente”, diz Kim. Construídas em uma única pilha, as soluções da Elastic permitem que os usuários encontrem insights instantaneamente a partir de qualquer tipo de dado em tempo real. Com elas, é possível melhorar a pesquisa, o monitoramento e a segurança.

Imagem: Divulgação/Elastic

Além do aspecto profissional, a Elastic busca cuidar dos colaboradores como pessoas. Por isso, oferece acesso a um serviço de saúde mental, bem como flexibilidade para que os funcionários possam coordenar suas atividades na empresa com outras necessidades. “Para mim, oferecer esse suporte aos profissionais é tão importante quanto prover as ferramentas de trabalho. Sou a patrocinadora executiva dos programas de bem-estar da equipe.”

Tecnologia na experiência do funcionário

O levantamento da Forrester mostra que, apesar de mais da metade dos CIOs entenderem a importância da compreensão da experiência do funcionário e de como atuar para torná-la mais agradável, apenas 13% estão particularmente empenhados em prover a melhor tecnologia para os colaboradores. E é aí que a Elastic pode ajudar, já que é especialista em ajudar outras companhias a se tornarem mais ágeis e flexíveis.

Para isso, oferece a mesma solução de busca que aplicou internamente, já que acredita que a possibilidade de encontrar o que se precisa é fundamental para diversos aspectos do trabalho. O objetivo da Elastic é acompanhar os clientes na jornada de adaptação da experiência do funcionário quando ele passa para o trabalho remoto.

Com aplicações ao mesmo tempo poderosas e fáceis de usar, a Elastic oferece soluções para administrar, monitorar e garantir a segurança da infraestrutura enquanto permitem que dados e documentos sejam encontrados facilmente. E, mesmo nos pacotes mais básicos, a empresa integrou recursos de proteção e segurança. Assim, os produtos fazem mais a um custo menor: uma das dificuldades atuais dos CIOs enquanto têm de administrar orçamentos mais enxutos da melhor forma — 57% dos entrevistados informaram redução em seus orçamentos.

Vídeo: Divulgação/Elastic

A pandemia fez os CIOs ganharem lugar na mesa de discussões e eles terão participação fundamental na definição das mudanças necessárias para a transição para o novo mundo do trabalho. Agora que a vacinação avança em todo o mundo, a expectativa é que esses executivos ajudem a definir como será a experiência do funcionário nos cenários de trabalho híbridos pós-pandemia. Garantir uma experiência agradável para o colaborador depende de esforços de todos os executivos da empresa. E, para isso, as soluções do Workplace Search da Elastic podem fazer a diferença.

A Elastic oferece três soluções: busca empresarial, observabilidade e segurança, desenvolvidas sobre uma stack de tecnologia que pode ser implantada em qualquer lugar. Interessados em saber mais, podem contatar a empresa pelo e-mail [email protected] ou acessar o site.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.