Google faz parceria com Pentágono em tecnologia de IA e machine learning

Por Wagner Wakka | 06 de Março de 2018 às 15h53
Divulgação
Tudo sobre

Google

A Google está trabalhando com Departamento de Defesa dos Estados Unidos para desenvolver tecnologia de inteligência artificial para imagens de drone. Isso é o que relata à imprensa internacional uma fonte que não quis se identificar, mas a informação foi confirmada posteriormente pela assessoria da Google.

A informação veio de um e-mail compartilhado internamente da Google e se referia a uma parceria para o Projeto Maven do Pentágono, em que a empresa ofereceria recursos para tecnologia de vigilância militar. Ainda, segundo fontes, nesta lista de e-mails houve discussão sobre se o projeto fere questões éticas de desenvolvimento e uso de machine learning.

O Maven é um projeto criado em abril de 2017 cuja descrição oficial é de “acelerar a integração do Departamento de Defesa com big data e machine learning”. A proposta inicial era de utilizar a tecnologia para seleção de imagens coletadas por drones. Segundo relatório de julho de 2017 do Center of New American Security, a quantidade de imagens produzidas era tamanha que se tornava impossível para que um ser humano pudesse analisá-las. Assim, o objetivo do projeto era de automatizar a detecção de objetos capturados pelas lentes em 38 categorias.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A Google disse em comunicado que está provendo ao Departamento de Defesa as APIs TensorFlow, as quais são usadas para ajudar militares a detectar objetos em imagens por machine learning. Contudo, o comunicado reforçou que a empresa está trabalhando em “desenvolver políticas e proteções” sobre o uso destas tecnologias. “A tecnologia aponta imagens para revisão humana e isso é para uso não agressivo apenas".

O uso militar de machine learning levanta questões válidas. "Nós estamos discutindo este importante assunto internamente e com outros para desenvolver políticas e proteções em torno do desenvolvimento e uso de tecnologias de machine learning”, explica a gigante.

Fonte: Gizmodo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.