COVID-19 | Os efeitos da quarentena em diversos setores

Por Stephanie Kohn | 25 de Março de 2020 às 16h32
Reprodução

O governo brasileiro praticamente zerou a expectativa de crescimento da economia para 2020. Uma estimativa otimista na visão de bancos internacionais e consultorias em virtude da violenta contração econômica provocada pelo avanço da Covid-19.

Devido à natureza da transmissão do vírus e da necessidade de confinamento das pessoas, algumas atividades econômicas passarão por um período muito difícil. Em contrapartida, algumas soluções/negócios parecem ajustados à maneira com que as pessoas e empresas vem procurando se organizar neste momento. A Robert Walters, consultoria multinacional europeia de recrutamento e seleção de profissionais para posições de média e alta gerencia, projeta o efeito do Coronavirus em alguns setores e atividades. 

“Independentemente da atividade ou setor, em função da esperada deterioração geral do mercado é difícil imaginar que, no balanço geral, alguma empresa possa esperar um bom resultado em 2020. Mas é inegável que alguns negócios serão mais afetados que outros. Produtos ou serviços cuja demanda não realizada em um determinado mês, por exemplo, não possa ser compensada em outro passarão por um ano bastante desafiador”, analisa Leonardo de Souza, Country Manager da Robert Walters.

Segmentos mais afetados:

· Transportes - Devido a proibições de viagens e quarentena

· Hotéis — A falta de viagens causará uma queda nas reservas de hotéis

· Esportes — Multidões não podem se reunir, portanto, nem público e nem equipes esportivas não podem interagir

· Spas e massagens — Contato físico não é recomendável neste momento

· Artigos de luxo – Se todos estiverem em casa no futuro próximo, há menos motivos para comprar um vestido ou uma joia em geral.

· Restaurantes e bares — Os clientes temem aglomerações e contato muito próximo com  o outro. Eles também podem temer os garçons ou cozinheiros possam estar infectados.

· Construção — um momento de incerteza leva a pessoas a serem mais conservadoras na aquisição de bens de valores mais relevantes

· Fitness  — Mesmo se permanecessem abertas, academias e estúdios de atividade física em geral veriam uma queda na frequência dos clientes, considerando que todos estão evitando ao máximo o contato físico com outras pessoas

· Turismo — Também um segmento que tem muito a perder devido às novas regras de viagens e aeroportos/fronteiras fechadas

· Aplicativos de relacionamento — Como as pessoas têm medo de interagir, é provável que haja menos oportunidades de relacionamentos

· Produção de filmes/novelas — Os atores não podem se reunir por motivos de segurança.

Segmentos menos afetados:

· Educação Online— Na ausência de escolas físicas, os alunos se voltarão para a solução do ensino online.

· Eventos virtuais — Conferências físicas estão sendo canceladas e eventos virtuais estão substituindo-as.

· Tecnologias de trabalho remoto —tecnologias para a organização do trabalho remoto passam a ser mais essenciais do que nunca, ferramenta para conferência em vídeo é uma delas.

· Subscription entertainment — soluções de transmissão por streaming preencherão o vazio deixado pela interação física.

· Redes de entrega à domicílio - Agora mais necessárias do que nunca, devido ao fechamento de lojas

·  Aplicativos para exercícios em casa — Para se manter em forma e em movimento, é provável que os consumidores treinem em casa com mais frequência 

· E-Commerce — um grande aumento nas compras online devido a quarentena

· Videogames - Estar em casa significa mais tédio e menos horas trabalhadas.. Isso significa mais tempo livre para usar o entretenimento em casa

· Purificação/ higienização do ar - Ter ar limpo e instalações limpas será a prioridade de muitos.

 

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.