Co-fundador da Uber será barrado da celebração da Uber na Bolsa de NY

Por Rafael Arbulu | 06 de Maio de 2019 às 15h46
Reprodução
Tudo sobre

Uber

Saiba tudo sobre Uber

Ver mais

Quando você se torna persona non grata de um mercado inteiro, as coisas tendem a deixar de lhe favorecer: é o caso de Travis Kalanick, co-fundador e ex-CEO da Uber, que, segundo informações de diversas fontes, não será convidado à celebração da entrada da empresa do app de caronas na Bolsa de Nova York, prevista para o terraço da sede da Bolsa, esta sexta-feira, 10 de maio.

Segundo os relatos, o atual CEO da empresa, Dara Khosrowshahi, é quem deu a ordem de veto à presença de Kalanick. O plano é o de que o atual mandante da companhia esteja cercado apenas por alguns executivos da gestão e motoristas mais antigos do app. Travis Kalanick havia requisitado estar na ocasião, mas sua entrada não será permitida, segundo as fontes.

Travis Kalanick, co-fundador e ex-CEO da Uber

Isso não significa que Travis está proibido de comparecer à festa. Ele apenas não estará junto aos nomes mais influentes da empresa: a celebração de uma entrada de empresa na Bolsa de Nova York é dividida em duas partes — o piso festivo, onde ocorrem os eventos normais; e a festa no terraço, onde costumam ficar executivos de direção, CEOs e, bom, fundadores. Esta última parte é que não terá Kalanick presente.

Travis Kalanick foi removido da Uber em 2017, após uma série de escândalos e acusações que vão desde o assédio moral até a sexualização de funcionárias na empresa. O Canaltech já relatou alguns destes casos. A entrada de Khosrowshahi para o cargo de CEO, entre muitas de suas atribuições, se deu como um esforço da empresa de limpar a sua própria imagem. Segundo o New York Times, que cita amigos de Travis, “Sempre que o Sr. Khosrowshahi usa a palavra ‘cultura’, o Sr. Kalanick considera isso um sinônimo velado ao seu reinado na empresa”.

A saída de Kalanick da Uber não foi de todo ruim para ele: o pacote que lhe foi conferido em sua remoção foi de aproximadamente US$ 9 bilhões — pouco mais de 8% do que ele tinha direito como co-fundador e ex-CEO.

Fonte: Gizmodo; Axios; New York Times

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.