Brasil se destaca na preferência por meios digitais de pagamento

Por Nathan Vieira | 01 de Agosto de 2019 às 15h10

Você ainda tem o costume de ir ao banco, ou já se rendeu às novas tecnologias de pagamento? Em Nova Iorque, foi feito um estudo envolvendo as alterações nos hábitos de consumo de serviços financeiros provocados pela tecnologia. Para isso, o IDC entrevistou mais de mil pessoas de três países da América Latina: a Colômbia, o Brasil e o México, pertencentes às classes sociais A, B e C. Essa pesquisa concluiu um interesse significante no uso de pagamentos por meios digitais, como o Google Play, o PayPal ou o PagSeguro, ou seja, empresas que proporcionam a possibilidade de fazer transferências financeiras, compras e até pagamentos de contas pela internet. As informações são da Agência Brasil.

Segundo o que apontam os estudos realizados pela IDC, 52% dos colombianos ouvidos possuem preferência pela utilização de meios digitais de pagamento. Por sua vez, 61% dos participantes brasileiros usam esses recursos. Isso significa que seis em cada dez brasileiros usam os pagamentos digitais. O México também apresenta um resultado parecido: 62% dos entrevistados desse país recorrem a meios digitais de pagamento. Quando se trata de empresas ou instituições responsáveis por fornecer serviços financeiros sem nenhum local físico, 30% dos colombianos demonstraram interesse. Os brasileiros ficaram em primeiro lugar nessa última pesquisa, com 56% de participantes interessados. Dentre os entrevistados mexicanos, 34% usam esse recurso.

De acordo com o ponto de vista do presidente do IDC, Ricardo Villate, “as pessoas estão movendo de uso tradicional de dinheiro e cartão para pagamentos digitais". O presidente do instituto afirma: "Uma coisa chave é confiança. Nós usávamos dinheiro porque era lastreado em ouro. Outra é o crescimento do ecossistema de Fintech porque estão criando soluções que permitem transações mais rápidas, convenientes”.

Pagamentos por meio de smartphones

Segundo a pesquisa, brasileiros são os que mais utilizam o celular para fazer pagamentos (Foto: Pixabay)


De acordo com o estudo feito pelo IDC, os brasileiros são os que mais usam o celular para a realização de pagamentos, já que 24,3% dos entrevistados afirmam adotar a prática, enquanto apenas 14% dos mexicanos demonstram interesse, contra um número menor ainda por parte da Colômbia: 11,4%. No Brasil, a maioria dos entrevistados faz atividades bancárias através de um celular conectado. O número de entrevistados que preferem fazer saques em caixas em bancos fica atrás (15,9%), seguido pelos entrevistados que fazem transações utilizando um computador pessoal (14,4%), atendimento na agência (12,9%) e saques em caixas eletrônicos em outros locais (10%).

65% dos entrevistados brasileiros costumam abrir suas contas usando dispositivos móveis conectados com a internet, enquanto no México, o número chega a 52%, contra apenas 48% na Colômbia. Isso quer dizer que menos pessoas estão indo aos bancos, como era antigamente, e o número descido cada vez mais. É possível perceber isso pelo próprio estudo do IDC, que aponta que 58% dos consultados brasileiros relataram frequentar agências bancárias. Na Colômbia, 64% ainda vai aos bancos, enquanto no México a adesão ainda é superior: 65%.

A diretora-geral da PayPal no Brasil, Paula Paschoal, explica esse comportamento: “Os brasileiros são altamente conectados e isso tende a popularizar o uso de carteiras digitais. Além disso, demonstram uma vontade de se atualizar tecnologicamente. O país tem um mercado com altíssimo potencial, com muitos usuários e é um dos mais competitivos da região. Isto gera uma oferta de melhores serviços”.

Brasil lidera no uso de cartões de crédito

Quase 74% dos brasileiros entrevistados pelo IDC afirmam ter cartões de crédito e de débito

Segundo o que aponta a pesquisa feita pelo IDC, dentre os três países, o Brasil é o líder no uso de cartões de crédito. 57% relataram usar este meio com mais frequência do que o débito, mas quase 74% dos brasileiros disseram ter cartões tanto de crédito quanto de débito. A diferença entre o Brasil e os outros países estudados foi gritante: 38% no México e 28% na Colômbia.

O estudo em questão foi intitulado “Como Fintechs e bancos podem democratizar os serviços financeiros na América Latina” e examinou as mudanças nos hábitos relacionados a serviços financeiros a partir da adoção de novas tecnologias, especialmente o uso de dispositivos móveis e plataformas na Internet. Foram ouvidas pouco mais de mil pessoas nos três países, sobre recursos preferenciais para pagamentos digitais, operações bancárias via Internet, compras por canais online e empréstimos a consumidores e comerciantes por plataformas conectadas à web.

Além disso, foram usados outros levantamentos para analisar os hábitos de uso de tecnologias, como a Pesquisa de Tecnologia Bancária 2019 da Federação Brasileira de Bancos, elaborada pela consultoria Deloitte, que apontou também crescimento de atividades financeiras pela Internet, a partir de informações de bancos brasileiros. O levantamento aponta que o número de pessoas que usam aplicativos do celular para realizar serviços bancários triplicou entre os anos de entre 2014 e 2018, passando de 25 milhões (16% do total) para 70 milhões (45%). Já os que utilizam acesso pela Internet para o mesmo fim passaram de 31 milhões (20%) para 53 milhões (34%) no mesmo período.

Em 2018, 2,5 milhões de contas foram abertas por meio de telefones celulares, o que representa crescimento de 56% em relação ao ano anterior (1,6 milhão de contas). As contas bancárias criadas por Internet banking passaram de 26 mil para 434 mil no mesmo período.

Fonte: Agência Brasil

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.