Freeze Period – A TI não pode parar

Por Colaborador externo | 11.11.2014 às 16:51

por Nelson Mendonça*

Tecnologia e estratégia já caminham lado a lado dentro das grandes corporações. É praticamente impossível pensar em questões como aumento da margem de lucro, produtividade e otimização de processos sem atrelá-las a iniciativas da área de TI. Hoje, mais do que nunca, o CIO deve estar próximo aos objetivos de negócios de sua empresa e atuar em parceria com todos os outros setores por metas em comum para o crescimento da organização. Para isso, um planejamento de gestão de TI bem estruturado e alinhado ao negócio é fundamental. Sabe-se, inclusive, que 50% das indisponibilidades são fruto de mudanças no ambiente de TI o que revela a falta de planejamento para estas intervenções.

A Governança de TI é importante neste sentido pois está diretamente ligada à tomada de decisão. Escolhas equivocadas podem influenciar negativamente nos negócios como é o caso, por exemplo, da indisponibilidade de serviços, seja por problemas de conexão ou por operações descontinuadas. Imagine qual não seria o impacto para uma operadora ter problemas de conectividade durante grandes eventos esportivos, como Olímpiadas ou Copa do Mundo? Não precisamos nem ir tão longe, pense em um e-commerce com queda de sistema próximo a datas comemorativas como o Natal. Nestes casos, iniciativas simples, combinadas a um bom planejamento, fazem toda diferença – é o caso do freeze period ou período de congelamento.

Muito utilizada por companhias de grande porte, essa medida auxilia na estabilidade de infraestruturas com ambientes complexos e que precisam de alta disponibilidade, especialmente, em períodos críticos. Explico: voltemos ao exemplo dos eventos esportivos. O PTT.br, Ponto de Troca de Tráfego brasileiro, opera como um ponto de convergência para os provedores, ou seja, garante uma conexão segura e eficiente ao facilitar a troca de dados entre os principais serviços disponíveis na internet e seus usuários. Durante o mundial deste ano, o PTT.br realizou um grande freeze em sua estrutura; paralisou algumas ações operacionais e outras eventuais mudanças no ambiente. Atividades como a ativação de novas conexões ou implantação de novas localidades foram suspensas de 12 de maio a 13 de julho. Mas, o monitoramento contínuo e o suporte a problemas de infraestrutura (rompimento de fibra óptica ou falhas de equipamento) foram medidas previstas mesmo neste período de congelamento.

Com o freeze, o PTT.br tinha os objetivos de garantir a estabilidade da infraestrutura e evitar a ocorrência de possíveis impactos. Todo um planejamento precisou ser desenhado para que esta iniciativa fosse possível. Ao evitar grandes mudanças, o freeze period permite à equipe de TI ficar totalmente focada no momento de maior necessidade. Preparar-se para ações sazonais de missão crítica é uma forma de estar um passo à frente e evitar possíveis contratempos – esta é a principal premissa do período de congelamento. Tão importante como o estabelecimento de um período de congelamento é o gerenciamento de capacidade e demanda realizado nos meses anteriores. Essa iniciativa garantirá ao ambiente a preparação necessária e os recursos disponíveis para suportar o incremento de carga sem a imposição de expansões de última hora.

Boas práticas de mercado como o freeze period garantem a segurança necessária para momentos de alta exigência tecnológica. O uso da tecnologia, sem dúvidas, é parte do dia-a-dia das organizações, mas é preciso ficar atento ao que diz respeito à gestão de todos os processos. É preciso que o CIO organize a agenda de seu time, as ações de sua área, de acordo com as necessidades do core business da companhia. Este é um novo deságio dentro das corporações. Com essas iniciativas e estes primeiros passos, é possível implementar uma Governança de TI alinhada, estratégica e eficiente em todos os sentidos.

*Nelson Mendonça é diretor da Alog.