Energias renováveis serão “praticamente gratuitas” até 2030

Por Rafael Arbulu | 14 de Agosto de 2018 às 10h30
Shutterstock

Ainda que o petróleo seja, hoje, o rei da produção energética mundial, essa é uma tendência que não deve se manter nas próximas décadas. Pelo menos essa é a opinião de analistas do banco de investimento suíço UBS, que apontam que os custos decrescentes de implantação e emprego de estruturas alternativas de produção de energia, bem como o aumento no volume de adoção das mesmas nas casas das pessoas, devem tornar a energia renovável “praticamente gratuita” até 2030.

Os analistas defenderam sua posição em entrevista ao Financial Times: “em 2010, usar a energia solar para ferver uma panela de água quente lhe custaria £ 0,03. Em 2020, segundo nossas estimativas analíticas, o custo disso deverá ser ainda menor. Em 2030, o valor se tornará tão irrisório que será praticamente de graça”.

Aumento de produção deve tornar energia renovável
Aumento de produção deve tornar energia renovável "praticamente gratuita", segundo analistas

Claro, a análise feita pelos executivos do UBS considera o mercado europeu, onde, especialmente Inglaterra e Alemanha, há uma notável expansão na implantação de estruturas eólicas e solares. Também foi considerado o solo americano, onde diversas empresas, que antes ofereciam produtos energéticos a base de carvão e petróleo, migraram ou aliaram estas mesmas ofertas a fontes renováveis, bem como novas companhias que atuam exclusivamente com energia solar, como a Tesla Energy, o braço da empresa de Elon Musk que oferece baterias solares para as casas americanas.

No Brasil, o cenário até aponta para o crescimento do setor, mas há alguns obstáculos: até 2030, segundo estimativa do Ministério de Minas e Energia, a demanda por eletricidade deve crescer em 200% - e a região Nordeste pode ser a mais capacitada para atender a esse crescimento com produção de energia eólica e solar. Contudo, há necessidade de investimento, pesquisa e saúde financeira na implantação dessa estrutura.

No Brasil, energia eólica deve corresponder a 12% da matriz energética até 2020
No Brasil, energia eólica deve corresponder a 12% da matriz energética até 2020

No quadro nacional, segundo entrevista da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica) à Folha de São Paulo em março deste ano, a estimativa é que, até 2020, a energia proveniente dos ventos nordestinos corresponda a 12% da matriz de produção nacional. A mesma entrevista aponta que, na região, a energia eólica já foi responsável por 60% do consumo local, tendo mais vantagem em relação à produção solar por ter entrado na matriz energética brasileira mais cedo (2009).

No âmbito solar, há dificuldades tarifárias a serem consideradas. O chamado “sistema de geração distribuída”, onde a geração de eletricidade das casas vem de meios provenientes de outros que não as concessionárias federais, vem enfrentando uma guerra no Congresso: de um lado, empresas pedem que o governo reduza ou elimine subsídios a geradores particulares, alegando que o consumidor acaba pagando a mais por esse tipo de oferta. Defensores da modalidade, porém, apontam os benefícios ambientais e economias na conta de luz devido ao fim da necessidade de investimentos em novas linhas de produção.

Fonte: Financial Times, The Next Web, Inverse, Folha de São Paulo (1) (2)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.