Empresas encaram lei de proteção de dados como oportunidade para rever políticas

Por Ares Saturno | 18 de Maio de 2018 às 17h32
Tudo sobre

IBM

A IBM Business Value (IBV) entrevistou 1.500 líderes de negócios de diversos países, inclusive o Brasil, sobre o Regulamento Geral de Proteção de Dados, GDPR na sigla em inglês. Promulgada pela União Europeia, a legislação entrará em vigor na próxima semana e diversas empresas já adequaram suas políticas internas ao que a lei demanda.

Uma das conclusões alcançadas pelo estudo da IBV foi que quase 60% das empresas entrevistadas encaram a GDPR como uma oportunidade de rever suas políticas de segurança de dados e melhorar as ações visando a proteção da privacidade de seus clientes, criando novos modelos de negócios. 84% dos líderes acreditam que seguir à risca o que exige a GDPR resultará em um diferencial positivo para a empresa aos olhos do público; enquanto 76% deles afirmam que a legislação permitirá relações mais confiáveis com as empresas detentoras de dados. Entretanto, apenas 36% dos entrevistados acreditam que conseguirão se adequar às novas regras até o prazo final de 25 de maio, quando a GDPR entra em vigor.

Outra descoberta interessante do estudo é que a GDPR está levando as empresas a questionarem o que realmente é relevante para seus modelos de negócios e políticas de coletas de dados. 80% das companhias entrevistadas afirmaram que estão reduzindo a quantidade de informações pessoais de usuários que elas mantém; enquanto 78% reduziram as equipes que têm acesso aos dados e 70% afirmaram descartar dados que não são mais necessários.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Um outro estudo, também encomendado pela IBM, envolveu 10 mil consumidores e concluiu que apenas 20% dos internautas estadunidenses têm confiança nas políticas de privacidade das organizações que detém seus dados.

Menos da metade dos entrevistados disseram estar preparados para os desafios que as mudanças propostas pela GDPR propõem. Além da descoberta de dados e dos princípios de processamento de dados, uma das áreas mais elencadas como dignas da preocupação dos líderes corporativos é o tratamento da transferência de dados entre as fronteiras, além da obtenção do consentimento dos usuários.

Embora a GDPR exija que as empresas relatem violações da privacidade de dados em até 72 horas, o estudo da IBV concluiu que apenas 31% das empresas reexaminaram ou modificaram seus planos de resposta a incidentes para cumprir a exigência.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.