Acusado de roubar segredos do Google, ex-funcionário da Uber assume culpa

Por Wagner Wakka | 20 de Março de 2020 às 17h45
Tudo sobre

Uber

Saiba tudo sobre Uber

Ver mais

O ex-funcionário da Uber, Anthony Levandowski, aceitou assumir a culpa no crime de levar informações sigilosas do Google para concorrentes. Nesta quinta (19), procuradores recomendaram ao executivo um acordo, pois assim, ele ficaria sujeito a pegar não mais do que 30 meses de prisão ao colaborar com o caso. Ou seja, assumir a culpa.

“Baixei estes arquivos com a intenção de usá-los em meu benefício pessoal e entendo que não estava autorizado a pegar tais documentos para este propósito”, afirmou o executivo.

Levandowski era funcionário da Waymo, braço da Alphabet para carros autônomos. Em 2015, deixou a empresa para montar a Ottomotto, uma startup de tecnologias de automação. A acusação é de que ele teria levado documentos e segredos da Waymo para a Ottomotto, a qual foi depois comprada pela Uber.

A acusação veio em 2017, depois que a Uber abriu um braço para desenvolvimento de tecnologia de carros autônomos, supostamente com as informações levadas por Levandowski, principal engenheiro do projeto.

Executivo montou sua própria empresa chamada Ottomotto (Foto: Divulgação/Otto)

Agora, três anos depois, ele se mostrou disposto a assumir a culpa pelo caso. “Acreditamos que o acordo vai ajudá-lo a seguir a vida e focar suas energias no que mais importa: desenvolver novas tecnologias”, informou o advogado de defesa, Miles Ehrlich.

No processo, a Uber também já pagou a Alphabet em ações, em acordos pela informação. A gigante do transporte por aplicativo também revisou sua tecnologia para garantir que não há quebra de patente. Contudo, mesmo assim, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos levantou 33 acusações contra Levandowski.

Levandowski também já declarou falência no início do mês para tentar renegociar suas dívidas com o processo. Agora, diante deste acordo, ele também concordou em pagar US$ 759 mil para cobrir os custos da Alphabet com investigação.

Quando ele havia declarado falência, a dívida era de US$ 179 milhões contra o Google. Embora a Uber geralmente pague processos em cima de seus funcionários, já disse que não pretende fazer o mesmo no caso de Levandowski.

Apesar da confissão de culpa, ainda não há data agendada para a sentença.

Fonte: Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.