Apple é julgada por quebra de patente e pode ser proibida de vender iPhones

Por Rafael Rodrigues da Silva | 26 de Março de 2019 às 20h00
(Imagem: Reprodução/Softpedia)
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

De acordo com uma decisão da corte dos Estados Unidos, a Apple infringiu uma patente pertencente a Qualcomm, e por isso alguns modelos de iPhones poderão ter a venda bloqueada no país.

A decisão foi tomada pela juíza Mary Joan McNamara, responsável pelo julgamento de um dos dois casos que a Apple enfrenta na Comissão de Comércio Internacional (ITC) dos EUA. A recomendação da juíza é que alguns modelos do iPhone, que são fabricados na China, tenham a venda bloqueada no território nacional. Contudo, isso ainda não é uma decisão final, com tal recomendação estando sujeita à aprovação da ITC, que é quem decide o bloqueio ou não da importação de produtos. A decisão final é esperada para julho.

Esse foi um dos dois casos levados pela Qualcomm à ITC, que pede pelo bloqueio das importações de iPhone aos Estados Unidos como uma forma de conseguir uma vantagem nas negociações de valores de licenciamento com a companhia, que ela afirma estar devendo bilhões de dólares valores de royalties não pagos para a Qualcomm.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

No caso julgado pela juíza McNamara, foi reconhecido que os iPhones que utilizam chips de modem da Intel infringiram duas patentes da Qualcomm, relacionadas à melhoria da velocidade e qualidade dos downloads e à economia de energia pelo componente. A ação pede pelo bloqueio das vendas do iPhone 7 e também do iPhone 7 Plus, mas ainda não está claro se a decisão concerne apenas esses modelos ou todos os posteriores que também utilizam chips da Intel.

A Apple nega que tenha quebrado qualquer patente da Qualcomm, e acusa a empresa de tentar tirar do mercado a única competidora americana na área de chips de comunicação para dispositivos móveis, impedindo a evolução da tecnologia no país. Por isso, a Apple defende que, em ambos os casos, mesmo que os juízes considerem que houve quebra de patentes, não permitam o bloqueio das importações, tampouco a venda de iPhones no país.

Já a Qualcomm argumenta que, se ela não lutar para proteger suas patentes, o valor de suas descobertas será diminuído, o que dará espaço para que rivais — principalmente a Huawei — passem a assumir uma maior fatia do mercado.

Fonte: Bloomberg

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.