Neonazistas têm dados, mensagens e fotos vazadas e publicadas online

Por Nathan Vieira | 12 de Novembro de 2019 às 15h06
Getty

Na última quinta-feira (7), os dados privados do Iron March, um famoso site norte-americano utilizado por supremacistas brancos, foram publicados on-line por meio de um vazamento. Com isso, mais de mil membros tiveram informações detalhadas expostas. O banco de dados de 1 GB parece conter a totalidade das informações do site, incluindo nomes de usuário, mensagens privadas, postagens públicas, endereços de email registrados e endereços IP.

O vazamento foi postado no Internet Archive por um indivíduo anônimo. Uma lista de domínios usados ​​nos registros de e-mail mostra dois de universidades americanas, além de mensagens privadas trocadas entre alguns membros, discutindo a vida nas reservas de fuzileiros navais, marinha, exército e militares dos EUA.

Banco de dados expõe mais de mil membros de site supremacista branco

O que é o Iron March

O Southern Poverty Law Center (SPLC: uma organização de advocacia legal sem fins lucrativos dos EUA) aponta que o fórum Iron March foi lançado em 2011 por Alexander "Slavros" Mukhitdinov, que diz ser um uzbeque que migrou para a Rússia. O site foi afiliado ou ofereceu apoio a pelo menos nove grupos fascistas de nove países diferentes durante um período de seis anos. 

Vários grupos neonazistas violentos integraram os fóruns. Membros, associados e suas ramificações foram conectados a pelo menos cinco assassinatos documentados pelo SPLC e o Rational Wiki, de acordo com o portal norte-americano Ars Technica. Entre os ataques fatais estão o brutal assassinato da ativista Heather Heyer em Charlottesville, Virgínia, em 12 de agosto de 2017. Durante o incidente, James Alex Fields atropelou-a com o carro depois que ela protestou contra eles.

Embora o Southern Poverty Law Center já esteja de posse de todos ou, pelo menos, da maioria dos posts públicos do Iron March, os dados expostos certamente oferecem um material muito mais completo e provavelmente incriminador de um dos fóruns mais sórdidos da Internet. A capacidade de pesquisadores, investigadores e outros de fazer referência cruzada de endereços IP, endereços de e-mail e postagens privadas e públicas provavelmente acabará sendo uma espécie de luz no fim do túnel.

Fonte: Ars Technica

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.