Ministério Público investiga suposto “esquema industrial” de envio de fake news

Por Rafael Arbulu | 17 de Outubro de 2018 às 11h08

O Ministério Público afirma estar chefiando uma investigação sobre o que chamou de “esquema industrial de fake news” para as eleições presidenciais de 2018. Segundo o órgão, desde o primeiro turno, cuja votação ocorreu em 7 de outubro, há indícios de pessoas que foram contratadas com a finalidade específica de disseminar informações falsas em redes sociais e apps de mensagens instantâneas no intuito de atacar a imagem de adversários políticos.

“A lei eleitoral fala que contratar alguém para difundir na internet propaganda negativa é crime, então como é um crime a gente tem que encontrar quem isso fez”, disse o vice-procurador-geral eleitoral Humberto Jacques de Medeiros, segundo em comando do Ministério Público para as eleições e chefiado pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Medeiros participou nesta terça-feira (16) de reunião com representantes do WhatsApp e membros do Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições.

"Agora, sim, o que é preocupante é quando você tem um esquema industrial de produção de mentira com uma propagação artificialmente impulsionada, é isso que é o grave. É isso que está sendo investigado em alguns casos”, afirmou. O vice-procurador ainda disse que o mero ato compartilhar fake news não constitui um crime, desde que não seja identificada a má-fé de quem o faz.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.
O vice-procurador-geral eleitoral Humberto Jacques de Medeiros, que investiga suposto "esquema industrial" de disseminação de fake news pela internet (Foto: TSE.jus.br)

Medeiros ainda rogou para que, antes de compartilhar um conteúdo, as pessoas prezem pela identificação de fontes e dados coerentes:

“O que a gente pede é que as pessoas sejam zelosas quando passam adiante uma informação que elas receberam e não conhecem a qualidade ou a densidade daquilo, mas a gente não pode instalar um estado de repressão, uma mordaça nas pessoas, para que elas tenham medo de falar. A liberdade de expressão é sagrada, estamos numa democracia, não se pode ir para uma eleição com as pessoas com medo de falar”.

Recentemente, o Canaltech publicou uma série de dicas para averiguar a autenticidade de informações compartilhadas via WhatsApp, como uma orientação ao leitor para evitar que suas ações contribuam para a disseminação de notícias falsas pelo mensageiro.

Fonte: UOL

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.