Dupla é condenada por fraude com compartilhamento de pornô ilegal nos EUA

Por Wagner Wakka | 17 de Junho de 2019 às 09h54
Depositphotos

Um processo de anos envolvendo crime de pronografia na internet finalmente recebeu uma sentença. Paul Hansmeier, responsável por colocar vídeos ilegais de pornografia para compartilhamento, foi condenado a 14 anos de prisão na última sexta-feira (14)  nos Estados Unidos. Ele é um dos sócios de uma empresa que subia vídeos ilegais para plataformas de compartilhamento.

Segundo o juiz, Joan Ericksen, o rapaz participou de um processo de transferência de vídeos e danos à imagem de tantas pessoas que “é quase incalculável como seu abuso de confiança é um prejuízo para a justiça”.

O caso teve início em 2010, quando o escritório de advocacia Prenda Law começou a levantar processos contra pessoas que compartilham conteúdos de pornografia ilegalmente. Depois que soube que a estratégia da empresa era ela mesma colocar os vídeos na internet e, depois, cobrar de outras pessoas que faziam o mesmo um acordo de divulgação. Assim, a empresa fechava acordos de centenas de dólares com quem reproduzia a sua ação.

Em suma, todo o esquema rendeu cerca de US$ 6 milhões em processos.

Diante de tantos casos, juízes começaram a ir mais a fundo e descobriram vários e vários golpes do grupo. Assim, tanto Paul Hansmeire quanto seu sócio John Steele foram detidos em 2016. Ele pagaram fiança por fraude, perjura e lavagem de dinheiro.

Em 2017, Steele assumiu a culpa e prometeu cooperar com as autoridades. Em contrapartida, Hansmeier só faria o mesmo no final do ano passado. O processo corria na Justiça até a sentença na última sexta. Hansmeier ainda terá de pagar às vítimas US$ 1,5 milhões.

Fonte: Ars Technica

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.