Criador de site de pornô de vingança é condenado a 18 anos de prisão

Por Redação | 06.04.2015 às 15:55

Kevin Bollaert, responsável pelo site de pornô de vingança UGotPosted, foi condenado na sexta-feira (3) a 18 anos de prisão. No julgamento, ele foi considerado culpado por seis acusações de extorsão e 21 de roubo de identidade, não apenas por garantir usuários de internet com meios para postagem de imagens íntimas e informações pessoais das retratadas, mas também por operar um sistema que cobrava delas para que as fotos e vídeos fossem retirados do ar.

Entre dezembro de 2012 e setembro de 2013, o americano foi o responsável por um site que chegou a ter mais de 10 mil imagens explícitas, de mulheres em sua maioria. Todas eram postadas anonimamente, mas traziam dados como os nomes, endereços, perfis em redes sociais, locais de trabalho ou estudo e até emails ou números de celulares das vítimas. As cenas, em sua maioria, eram registradas sem permissão.

Ao mesmo tempo, Bollaert também era o responsável pelo Change My Reputation, um serviço aparentemente não associado ao UGotPosted, que exigia o pagamento de cerca de US$ 350 para que as informações e arquivos fossem retirados do ar. Foi a partir desse tipo de ação, inclusive, que a polícia conseguiu chegar até ele e tirar ambos os sites, bem como as imagens divulgadas ali, do ar.

Além dos 18 anos de prisão, o acusado, de 28 anos de idade, terá que pagar US$ 100 mil em indenizações para as vítimas que moveram uma ação conjunta contra ele. Em depoimentos à justiça, uma delas disse ter se visto obrigada a mudar de universidade e buscar tratamento psiquiátrico para lidar com o trauma de ter sua intimidade divulgada, enquanto outra disse ter recebido mais de 400 mensagens em redes sociais relacionadas ao vazamento.

As declarações foram aceitas de forma integral pelo juiz David Gill, que categorizou as ações de Bollaert como ultrajantes e disse que os criminosos que agem “sentados atrás de computadores” não estão imunes do alcance da lei. Além disso, disse que espera que as autoridades continuem vigilantes quanto a esse tipo de crime.

O acusado não falou durante a leitura de sua sentença, aceitando o que era dito de cabeça baixa. Antes da audiência, porém, o pai de Bollaert pediu desculpas públicas às vítimas, afirmando que os atos do filho foram “estúpidos e vergonhosos”. Além disso, pediram que o juiz fosse leniente com ele, um apelo que, pelo que parece, não foi aceito.

Esse é o segundo caso de pornô de vingança julgado pela justiça do estado americano da Califórnia. No final do ano passado, um homem foi condenado à prisão por ter divulgado imagens íntimas de uma ex-namorada no Facebook, em uma decisão que marcou uma mudança no ponto de vista das autoridades da região com relação a um crime cada vez mais comum na internet.