Contato com muitas fake news faz pessoas criarem falsas memórias, aponta estudo

Por Natalie Rosa | 25 de Agosto de 2019 às 08h25
Reprodução

Uma pesquisa publicada no Psychological Science, periódico da organização sem fins lucrativos Association Psychological Science, dos Estados Unidos, mostra uma descoberta bastante interessante em relação à propagação das notícias falsas.

Segundo o estudo, eleitores podem desenvolver falsas memórias depois de verem notícias fabricadas, principalmente se elas estão alinhadas com suas crenças políticas. A pesquisa foi conduzida no ano passado, uma semana antes das negociações que discutiram a legalização do aborto na Irlanda, mas os pesquisadores acreditam que as chamadas fake news provocam impacto também em outros contextos, como em eleições presidenciais.

Acredita-se que na próxima disputa presidencial dos Estados Unidos, que acontece em 2020, os eleitores vão se lembrar das notícias falsas fabricadas nos últimos anos, principalmente envolvendo escândalos que comprometem o candidato da oposição.

Imagem: Reprodução

Metodologia

Gillian Murphy, principal autor do estudo, conta que, ao lado de Elizabeth Loftus, pesquisadora de memórias da Universidade da Califórnia, 3.140 eleitores foram recrutados online e questionados sobre como planejavam votar no referendo sobre a legalização do aborto na Irlanda.

Os participantes da pesquisa foram apresentados a seis notícias, sendo duas delas histórias inventadas mostrando ativistas de ambos os lados da política em comportamentos ilegais. Na sequência, foram questionados se já haviam ouvido falar sobre o evento descrito nas histórias apresentadas. Com a resposta, positiva ou negativa, foi possível observar se os participantes tinham memórias específicas sobre os assuntos.

Mas os testes não acabaram nessa etapa. Logo depois, os pesquisadores revelaram aos eleitores que algumas das histórias eram inventadas, pedindo para que eles indicassem quais das notícias eles acreditavam que eram falsas. No fim, eles passaram por um teste cognitivo.

Os resultados da pesquisa mostraram que cerca de metade dos pesquisados apresentaram memória falsa para pelo menos um dos eventos inventados, e alguns deles conseguiram até "relembrar" de detalhes ricos sobre o assunto. Pessoas a favor da legalização do aborto eram mais propensas a lembrarem de notícias falsas sobre a oposição, enquanto quem era contra conseguia se lembrar mais de fake news sobre quem criou a proposta.

A pesquisa descobriu também que as pessoas com mais capacidade cognitiva contavam com mais chances de questionar o seu viés pessoal e as fontes de notícias.

Os autores do estudo contam que entender os efeitos psicológicos das notícias falsas é fundamental, pois as pessoas acabam agindo de acordo com o que a sua falsa memória cria. Então, é preciso ajudar a evitar que essas pessoas sejam enganadas.

O estudo completo está disponível para consulta online.

Fonte: Eureka Alert

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.