Os principais erros de quem quer estar no topo da lista de resultados do Google

Por Colaborador externo | 31 de Julho de 2013 às 06h05
Tudo sobre

Google

As estratégias de SEO (Search Engine Otimization ou otimização para motores de busca) estão sendo cada vez mais usadas por empresas, profissionais, veículos de comunicação e outras entidades que desejam uma coisa: visibilidade. Mas, na ânsia de estar entre os primeiros resultados do Google, muitos erros são cometidos e o investimento pode não ter retorno algum.

“É, de fato, muito importante estar bem ranqueado na página de resultados do buscador: pesquisas mostram que 70% da navegação do usuário se restringe aos sites que aparecem na primeira tela e que os primeiros resultados são intuitivamente considerados pelo público como ‘as melhores empresas’. Entretanto, como qualquer estratégia de marketing digital, é fundamental planejamento e profissionalismo”, explica José Matias, diretor da Redsuns, agência de performance online.

Entenda algumas ideias equivocadas da estratégia de SEO e a importância evitá-las.

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

  • “Faz um SEO para mim”: “Muitas empresas não entendem o que é a otimização e nos procuram achando que podemos ligar para o Google e negociar para elas aparecerem em primeiro lugar”, conta Matias. É fundamental que os gestores de marketing ou mesmo os próprios donos das empresas – no caso das micro e pequenas – entendam o que é a estratégia e quais são os benefícios de investir nela. “Todas as empresas deveriam investir na otimização, pois isso tem como premissa trazer conteúdo relevante para o seu cliente e este deveria serum compromisso do mercado como um todo.”
  • “Eu sou melhor que meu concorrente”: Sua empresa pode prestar um serviço mais eficiente ou qualificado, mas o Google se importa com sua atuação virtual e não real. “Sua página deve ser relevante, tanto no conteúdo quanto em suas conexões na web. O buscador precisa ser ‘informado’ sobre sua importância para melhor ranquear seu site”, comenta.
  • “Só por três meses”: SEO é um investimento de médio e longo prazo. Além de o reflexo em vendas, contatos ou acesso não ser sentido de imediato, a manutenção da estratégia é importante para garantir a constância dos bons resultados. “É um erro muito comum achar que o SEO pode ser feito hoje e não precisa ser feito amanhã. Mudanças no mercado, investimentos de concorrentes e alterações no algoritmo de busca do próprio Google podem levar à perda da posição conquistada.”
  • “Para ter conteúdo basta eu criar um blog?”: Criar conteúdo relevante é passo fundamental na estratégia de SEO. “Só que isso não significa só criar um blog e encher de textos. Você precisa ser relevante para seus clientes. As pessoas buscam informações, comparações de produtos, histórico e outras informações que muitas empresas não oferecem. Você pode resolver as dúvidas do seu cliente e ser relevante sem necessariamente ter um blog. Essa também é uma estratégia, mas não é tudo”, observa Matias.
  • “Meu conteúdo está OK. Já dá para ser o primeiro?” Seria ingênuo admitir que só conteúdo basta, mas já é o começo ideal. “Depois de ter conteúdo de qualidade, vem o próximo passo com as técnicas de SEO, como link building (utilizar links tanto internos como externos para mostrar relevância) e SEO On-page (melhorar código do site para que o Google o leia com mais ‘facilidade’)”, explica Matias.
  • “Meu sobrinho é heavy user. Deixa que ele faz para mim” O Google considera diversos fatores para o ranqueamento, sendo que só poucos são divulgados, e ainda mudam periodicamente. Entre eles, estão aspectos como idade do domínio, quantidade e qualidade de links apontando para o site, código semântico, velocidade de carregamento da página, entre outros fatores. “A visão profissional – técnica e estratégica – é fundamental para o sucesso do SEO. Considerando a importância que o Google tem hoje na busca por empresas, fornecedores e parceiros, o investimento nesse canal não pode ser subestimado”, conclui.
Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.