Universidade de Goiás lança 1ª graduação em Inteligência Artificial do Brasil

Por Nathan Vieira | 23 de Setembro de 2019 às 14h35
MarTech Today

A Universidade Federal de Goiás (UFG) vai lançar o primeiro curso superior em inteligência artificial do Brasil. A UFG deve ter um orçamento inicial de R$ 23 milhões para pesquisas na área. A expectativa é que o investimento alcance R$ 100 milhões em sete anos. A princípio, serão ofertadas 40 vagas para o curso de período integral, e a proposta é que o curso pioneiro selecione os primeiros estudantes já na edição de 2020 do Sistema de Seleção Unificada (SiSU). Em outras palavras, os candidatos poderão realizar a inscrição gratuitamente no sistema do Ministério da Educação usando sua nota do Enem. No entanto, as inscrições para 2020 ainda não estão abertas.

A criação do curso foi aprovada por unanimidade pelo Conselho Universitário. O doutor em Engenharia Eletrônica e Computação Anderson Soares, que será um dos integrantes do corpo docente do curso de Inteligência Artificial na UFG, afirma que a falta de mão de obra na área é um problema global e o Brasil está atrasado nesse quesito. "O profissional especializado em inteligência artificial tem formação em nível de doutorado, por que antes era uma pesquisa feita a longo prazo. Tivemos um avanço muito forte desde 2012, com novas e diferentes aplicações para a tecnologia, o que tornou necessária a formação para níveis mais generalistas”, declara.

Aprovação do curso de inteligência artificial foi feita sob reunião, por unanimidade (Foto: Divulgação/Universidade Federal de Goiás )

Já existem cursos de pós-graduação e até cursos à distância sobre inteligência artificial, mas, segundo o professor, trata-se de uma a área complexa. “O curso profissionalizante tem grande valor, mas a IA envolve muitas competências. Uma formação mais sólida será necessária, abordando computação e matemática junto com visão de negócios e soluções para o mercado. São muitas frentes para atacar em curto período de tempo”, defende o doutor. 

Basicamente, os alunos vão aprender sobre veículos autônomos, ciência de dados, assistentes pessoais, modelos preditivos e machine learning, entre outras vertentes da inteligência artificial, sob a premissa de que se formem não apenas desenvolvendo algoritmos e interfaces inteligentes, mas entendendo as diferentes aplicações da tecnologia nos negócios.

Além do curso,  Soares diz que também existem planos para lançar um centro de excelência nacional em inteligência artificial ainda em 2019. “Esse centro poderá aumentar a competitividade do assunto no país, representando uma parceria da iniciativa privada e do poder público para desenvolver ciência de ponta e obrigar o curso a estar em sinergia com projetos demandados pelas duas frentes”, explica.

Fonte: Universidade Federal de Goiás via Exame

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.