Você poderá "treinar" a Alexa para adaptar a assistente às suas necessidades

Você poderá "treinar" a Alexa para adaptar a assistente às suas necessidades

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 28 de Setembro de 2021 às 18h10
Amazon

A Amazon quer entregar nas mãos do usuário a possibilidade de personalizar a inteligência artificial da Alexa para executar ações específicas, como identificar sons de campainha ou checar, via câmeras, se uma porta está fechada ou aberta. A ideia é que isso permita ao consumidor configurar o assistente virtual da companhia para ser realmente útil no cotidiano e não apenas um facilitador de tarefas, como é atualmente.

Segundo a fabricante, o nível de personalização será muito mais profundo do que o atual e permitirá o ajuste a coisas como seu time favorito, o site de notícias que você lê todas as manhãs antes do trabalho ou suas preferências alimentares. A ideia é possibilitar, por exemplo, o reconhecimento do latido do seu cachorro para avisar ao usuário se ocorrer de forma insistente e excessiva, indicativo que alguém pode ter entrado no seu terreno.

Será possível customizar a Alexa para identificar sons (Imagem: Reprodução/Amazon)

A identificação de sons é algo que o algoritmo da Alexa já oferece — o chamado Alexa Guard — e traz algumas funções de fábrica, como o reconhecimento de vidro estilhaçado ou um alarme de incêndio a tocar. Esse serviço pode notificar a pessoa que está longe de casa para ligar para os bombeiros ou retornar para checar o que ocorreu, além de ser um aliado para pessoas com deficiência auditiva, que conseguem ser notificadas de alguma emergência.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Recursos de sons para o dia a dia

Mais do que a aplicabilidade em momentos cruciais, a nova Alexa poderia trazer otimização para tarefas rotineiras como o bipe do microondas, o alerta de uma geladeira com a porta aberta, a da porta da garagem abrindo por engano ou até o som da água correndo em excesso, o que poderia indicar um vazamento.

Conforme a Amazon, você precisaria apenas fornecer entre seis e dez exemplos de sons para que a assistente virtual saiba do que se trata o ruído. Pode ainda parecer muito, mas é uma baita evolução se comparado às milhares de amostras utilizadas anteriormente pela companhia para treinar o algoritmo e chegar ao resultado atual.

Após o treino, o usuário poderá definir notificações ou rotinas para execução sempre que o ruído for identificado. Ao identificar o som da porta se abrindo, o sistema pré-configurado poderia acender a luz, ligar o ar condicionado e colocar uma música para tocar, tudo de forma imediata e automatizada.

A Alexa poderia identificar o som do choro do bebê e notificá-lo (Imagem: Reprodução/Amazon)

Aprendizado com o usuário

No mesmo sentido, porém voltado para imagens, a Alexa seria capaz de analisar um ambiente para ver se houve algum tipo de alteração. Se você tiver deixado uma porta fechada e for detectada que ela está aberta, um alerta é enviado para comunicar o usuário de que algo não está certo. Por enquanto, isso ainda é bastante limitado, mas há perspectivas de melhorias que poderiam identificar mais variações.

Em relação aspecto alimentar, será possível treinar a IA para conhecer melhor suas preferências ou necessidades alimentares. Você poderá dizer algo como "Alexa, aprenda minhas preferências" para ensiná-la didaticamente ou apenas ir lapidando o conhecimento com base nas suas escolhas. Ao pedir que ela liste restaurantes próximos, você poderia alertá-la que é vegetariano e isso excluiria churrascarias ou locais que não ofereçam este tipo de refeição.

Já ao declarar qual é o seu time do coração, a Alexa poderia informá-lo sempre que houver alguma novidade sobre a equipe, resultados de jogos ou alertas de partidas com início próximo.

Execução no próprio dispositivo

Até agora, esse processo de identificação de sons e treinamento ocorrerá na nuvem, portanto exige conexão com a internet, mas o plano da empresa é possibilitar o processamento no próprio dispositivo, seja ele um Echo ou outro aparelho, sem a necessidade e enviar o áudio para servidores externos.

Dispositivos como o novo Echo seriam usados para treinar a IA da Alexa (Imagem: Reprodução/Amazon)

Habilidades relacionadas a softwares de terceiros também devem ser suportadas com o novo conjunto de aprimoramentos. Por enquanto, tudo estará limitado a serviços meteorológicos, mas novos ajustes devem trazer opções mais amplas e simples para facilitar a comunicação mesmo de que nunca conversou com um assistente virtual antes. Com isso, seria possível você fazer a Alexa (ou outro programa) entender que você deseja saber a previsão climática ao dizer "como é o tempo" ou "uso roupa de calor hoje?".

Os novos recursos foram apresentados no evento da Amazon realizado nesta terça-feira (28), na qual a companhia anunciou seus novos dispositivos Echo, novos hardwares e até um robô doméstico dotado de personalidade. Por enquanto, a detecção de sons personalizados está em fase de desenvolvimento e tem o lançamento previsto para 2022.

Fonte: TechCrunch  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.