Robô trans é criada para falar com jovens sobre sexo, gênero e prevenção ao HIV

Robô trans é criada para falar com jovens sobre sexo, gênero e prevenção ao HIV

Por Nathan Vieira | 14 de Agosto de 2019 às 09h34
Divulgação/Faculdade de Medicina UFMG

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA), criou uma personagem para se aproximar do público jovem e falar de assuntos como gênero, sexualidade e prevenção ao HIV. Trata-se de Amanda Selfie, uma roboa (como ela mesma diz) trans. O objetivo é levar homens gays e mulheres trans ou travestis de 15 a 19 anos a participarem de uma pesquisa de prevenção ao HIV. 

A pesquisa consiste, basicamente, na verificação do uso e a eficácia da Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP) como método preventivo ao vírus. A medicação, que já se encontra disponível no Sistema Único de Saúde (SUS), atualmente é voltada apenas a maiores de idade. Portanto, a proposta do projeto é que agora a eficácia seja testada entre os jovens, recrutados até o fim do ano. A pesquisa almeja acompanhar um grupo de cerca de 700 jovens.

O projeto se desdobra da seguinte maneira: os jovens participantes vão tomar o medicamento diariamente, durante o período de dois anos. Antes disso, no entanto, acontecem rodas de conversas com especialistas, além de testes frequentes de HIV.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A Faculdade de Medicina da UFMG aponta que o público-alvo da pesquisa não frequenta os serviços de saúde por não se sentir bem acolhido, e isso acaba potencializando o risco de infecção. O papel da Amanda Selfie frente a tudo isso é interagir com os jovens através das redes sociais da pesquisa e tirar dúvidas sobre sexo, prevenção contra as infecções sexualmente transmissíveis (IST), cultura LGBTQI+, gênero e orientação sexual. Uma das maiores características da personagem é o uso de gírias em pajubá (dialeto de origem iorubá usado pela comunidade LGBTQI+).

Vale ressaltar que a  indicação do medicamento é feita somente pelos médicos nas unidades de saúde. Critérios como o número de parceiros sexuais, episódios repetidos de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e utilização de outros métodos preventivos também são levados em conta.

Fonte: G1

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.