Pesquisadores inventam tecido inteligente que aumenta sinal e bateria

Por Nathan Vieira | 20 de Agosto de 2019 às 08h40
Business Insider

Tendo em mente o avanço contínuo e ligeiro da tecnologia wearable (em que os dispositivos podem fazer parte do vestuário, como uma camiseta, um relógio ou uma pulseira), pesquisadores da Universidade Nacional de Cingapura (NUS) resolveram criar um tecido inteligente que pode não só aumentar o sinal de um dispositivo, como também melhorar a autonomia da bateria. Isso seria possível por meio de ondas de rádio, como Bluetooth e Wi-Fi, que deslizam pelo tecido e passam para os dispositivos.

O tecido foi anunciado pela primeira vez em julho deste ano, e desde então tem dado o que falar. Trata-se, basicamente, de um condutor cinza que cria uma rede de sensores corporais sem fio para permitir que os dispositivos transmitam dados com um sinal descrito ccomo "mil vezes mais forte que o das tecnologias convencionais". Além disso, o material é feito de fibras de aço inoxidável e vem na forma de tiras, que são fixadas na superfície externa da roupa por meio de um bordado, enquanto o lado interno tem tiras de condutor não padronizadas.

Equipe de pesquisadores da Universidade Nacional de Cingapura por trás do tecido inteligente (Foto: Business Insider)

A equipe de pesquisa conta com 10 componentes e é liderada pelo professor assistente John Ho do Instituto NUS de Inovação e Tecnologia. "Esta inovação permite a perfeita transmissão de dados entre dispositivos a níveis de energia que são mil vezes reduzidos", explica o professor. Ele observa que as ondas que envolvem o tecido inteligente são capazes de “aumentar o sinal recebido em mil vezes, o que poderia dar taxas de dados drasticamente altas para o mesmo poder”. Além disso, Ho também afirma que as ondas transmitem sinais que podem atingir vários metros — mais de 100 metros para Wi-Fi, por exemplo.

O líder da pesquisa também aponta que as ondas não representam ameaça à saude do usuário. Ho garante também que o sinal impulsionado entre os dispositivos é tão forte que é possível transmitir energia sem fio (na forma de ondas de rádio) de um smartphone para outro dispositivo vestível. Por sua vez, a Universidade Nacional de Cingapura diz que as fitas condutoras podem até ser cortadas ou rasgadas sem interferir nas capacidades sem fio, e ainda podem ser lavadas, secas e passadas como em roupas comuns.

No vídeo a seguir, a universidade explica direitinho como a inovação funciona:

A equipe de pesquisa revela ainda que está conversando com potenciais parceiros para comercializar esse material, principalmente nos ramos do esporte e da saúde. "As aplicações potenciais podem variar drasticamente — desde medir os sinais vitais de um paciente sem inibir sua liberdade de movimento, até ajustar o volume nos fones de ouvido sem fio de um atleta com um único movimento da mão", explica a NUS.

Fonte: Business Insider via Tilt

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.