Ônibus em São Paulo poderão ser pagos com cartões de crédito e débito

Por Rui Maciel | 12 de Setembro de 2019 às 11h00
Divulgação / Mastercard

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria de Mobilidade e Transportes e a São Paulo Transporte (SPTrans) anunciou nesta quarta-feira (12) o lançamento de um projeto que permitirá aos usuários pagarem as passagens de ônibus na capital paulista com cartões de crédito e débito usando a tecnologia de aproximação NFC (Comunicação de Campo Próximo, na sigla em inglês).

Nesta primeira fase, que começa no dia 14 de setembro, a tecnologia será embarcada em cerca de 200 ônibus municipais que operam em 12 linhas da capital paulista (confira quais são no final desta matéria). O projeto contará com a parceria das principais bandeiras de cartão de crédito do mercado: MasterCard e Visa. As tarifas poderão ser pagas apenas aproximando do validador de cartões de crédito, débito e pré-pago, além de smartphones, smartwatches ou pulseiras de pagamento — nesses últimos três usando apps de carteiras digitais.

A ideia da prefeitura é democratizar a alternativa para os cidadãos da capital — que podem abrir mão do cartão de Bilhete Único, se quiserem — e simplificar o trajeto para os mais de 2 milhões de turistas estrangeiros (de acordo com os números mais recentes do Global Destination Cities Index da Mastercard) que visitam a cidade, já que os cartões emitidos fora do País também serão aceitos. Outras cidades como Nova York, Londres, Sidney e Miami já fazem uso desse sistema. No Brasil, o Rio de Janeiro já utiliza um modelo similar, a partir de uma parceria envolvendo Cielo e Visa para o metrô da capital e que já registrou 300 mil transações desde abril deste ano, quando o projeto-piloto foi iniciado.

“Esse projeto oferece ao usuário a possibilidade de usar nos ônibus da cidade o mesmo cartão ou dispositivo que utiliza para suas compras diárias, tirando a necessidade de se ter dinheiro no bolso ou bilhetes específicos que fazem mais sentido para usuários frequentes”, explica João Pedro Paro, presidente da Mastercard para o Brasil e Cone Sul. “A tecnologia de pagamento por aproximação trará agilidade e praticidade para a cidade, já que é cerca de 10 vezes mais rápida que o pagamento em dinheiro. Agora até os turistas poderão usar o transporte público da cidade sem se preocupar em ter de trocar dinheiro ou em comprar passagens antecipadamente”, complementa.

Raio-X da capital paulista

Segundo dados da Visa Consulting & Analytics, São Paulo é a cidade com maior uso da solução de pagamento por aproximação em todo o país. Esse número cresceu mais de 600% se comparado ao ano passado. Os segmentos na capital paulista com maior número de transações por aproximação são restaurantes, padarias e supermercados, o que indica que o consumidor utiliza a tecnologia em compras recorrentes por entender sua segurança e comodidade.

Os bairros com maior utilização da solução em quantidade de transações em São Paulo são, em ordem de utilização: Pinheiros, Bela Vista, Cerqueira César, Vila Mariana, Indianópolis, Itaim Bibi, Jardim Paulista, Vila Nova Conceição, Vila Olímpia e Perdizes.

"Lançamos em abril o pagamento por aproximação no metrô do Rio de Janeiro. O número de transações por aproximação realizadas nas 41 estações vem crescendo quase 60% a cada mês. Isso prova que benefícios como conveniência, rapidez e segurança estão cada vez mais evidentes na vida dos cariocas e dos turistas", conta Fernando Teles, country manager da Visa do Brasil. "Para se ter uma ideia do sucesso desse projeto, 94% das pessoas que usam a solução no transporte público, seguem usando como hábito. Tenho certeza de que em São Paulo não será diferente”.

Expertise

Uma das participantes do projeto, a Mastercard, além de sua expertise em outros países, destaca a ampla adoção no pagamento usando o NFC: "Em Londres, onde ajudamos a implementar um sistema em 2014, o pagamento por aproximação com cartões responde, atualmente, por 55% das viagens realizadas no metrô, um dos mais movimentados do planeta nos horários de pico", afirma Paro. "Ao todo, são mais de 21,6 milhões de viagens por semana usando pagamentos por aproximação. Isso representa uma economia de mais de £100 milhões por ano” completa.

No Brasil, a Mastercard iniciou a implantação desse mesmo projeto de pagamento por aproximação pela cidade de Jundiaí, no interior do estado de São Paulo, em 2017. Ao instalar a tecnologia em toda a frota de ônibus local, a cidade permitiu aos usuários pagarem a passagem com cartões e wearables (vestíveis), apenas encostando nos validadores. No Brasil, o sistema também foi implementado pela Mastercard nos trens do Rio de Janeiro.

Como funciona?

Com a nova modalidade de pagamento, os passageiros não precisa mais andar com dinheiro no bolso nem terem o Bilhete Único para pagar pela passagem. Em vez disso, basta aproximar o cartão de crédito, débito, pré-pago ou dispositivo móvel compatível com tecnologia de pagamento por aproximação no validador do transporte público que contam com o sinal de quatro ondas.

A tarifa é cobrada diretamente na fatura do cartão de crédito ou na conta-corrente do passageiro, no caso de cartão de débito. Não há custo nem taxas adicionais.

Linhas participantes do projeto-piloto em São Paulo:

  • 2590/10 — Pq. D. Pedro II/União de Vl. Nova
  • 4031/10 — Metrô Tamanduateí/Pq. Sta. Madalena
  • 6030/10 — Term. Sto. Amaro/UNISA-CAMPUS 1
  • 917M/10 — Metrô Ana Rosa/Morro Grande
  • 2002/10 — Term. Bandeira/Ter. Pq. D. Pedro II
  • 715M/10 — Lgo. da Pólvora/Jd. Maria Luiza
  • 908T/10 — Butantã/Pq. D. Pedro II
  • 9300/10 — Ter. Pq. D. Pedro II/Ter. Casa Verde
  • 9500/10 — Pça. Do Correio/Term. Cachoeirinha
  • 5129/10 — Term. Guarapiranga/Jd. Miriam
  • 807M/10 — Shop. Morumbi/Term. Campo Limpo
  • 675R/10 — Metrô Jabaquara/Grajaú
Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.