Glenn Greenwald é denunciado pelo MPF por suposta participação em cibercrime

Por Natalie Rosa | 21 de Janeiro de 2020 às 15h36
Reprodução

O jornalista Glenn Greenwald acaba de ser denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF), de acordo com informações que começaram a circular nesta terça-feira (21). A denúncia faz parte da Operação Spoofing, responsável por investigar invasões feitas em smartphones de autoridades, acusando o profissional de cometer crime de associação criminosa.

A medida contraria a decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ainda no ano passado, de que Greenwald não fosse investigado, mas de acordo com o MPF, as apurações feitas sobre os hackers acusados apresentam indícios de envolvimento do jornalista com a invasão.

Em 2019, o site The Intercept, cofundado por Greenwald, começou a publicar conversas de políticos como Sergio Moro, ministro da Justiça que antes atuava como juiz federal, e outros procuradores da Operação Lava-Jato, revelando esquemas graves. De acordo com investigações conduzidas pela Polícia Federal, os celulares das pessoas expostas foram hackeados e, então, as informações foram enviadas ao jornalista.

Imagem: Reprodução

O Ministério Público Federal faz a denúncia afirmando que Glenn fez parte da operação de invasão junto aos hackers, auxiliando, orientando e incentivando o grupo. De acordo com a defesa do jornalista, o objetivo da acusação seria "depreciar o trabalho jornalístico de divulgação de mensagens realizado pela equipe do The Intercept Brasil em parceria com outros veículos da mídia nacional e estrangeira".

Leia a nota na íntegra:

Recebemos com perplexidade a informação de que há uma denúncia contra o jornalista Glenn Grenwald, cofundador do The Intercept. Trata-se de um expediente tosco que visa desrespeitar a autoridade da medida cautelar concedida na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) nº 601, do Supremo Tribunal Federal, para além de ferir a liberdade de imprensa e servir como instrumento de disputa política.

Seu objetivo é depreciar o trabalho jornalístico de divulgação de mensagens realizado pela equipe do The Intercept Brasil em parceria com outros veículos da mídia nacional e estrangeira. Os advogados de Glenn Grenwald preparam a medida judicial cabível e pedirão que a Associação Brasileira de Imprensa, por sua importância e representatividade, cerre fileiras em defesa do jornalista agredido.

O MPF também divulgou quais são os diálogos que podem indicar o envolvimento de Glenn, que acontece entre ele e Luiz Henrique Molição, um dos hackers presos na operação. De acordo com a denúncia, o jornalista teria entrado em contato com o cibercriminosos para saber o que fazer com os arquivos das conversas roubadas.

As investigações da Operação Spoofing começaram em junho do ano passado, na mesma época em que começaram a surgir as conversas vazadas, que até hoje continuam sendo divulgadas pelo site The Intercept.

Fonte: G1, MPF

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.