Governo de SP libera educação a distância para ensinos médio e fundamental

Por Wagner Wakka | 19 de Março de 2020 às 17h00
DepositPhotos/bloomua

O governo de São Paulo está adotando o Ensino a Distância (EaD) para garantir o ano letivo de escolas no estado diante do cenário de reclusão por conta da COVID-19. O Conselho Estadual de Educação aprovou, nesta quarta-feira (18), que atividades de alunos dos ensinos médio e fundamental, feitas neste período em casa, possam ser contabilizadas no cálculo letivo.

O Conselho tem só função reguladora, cuja deliberação ainda precisa ser aprovada pelo secretário da Educação, Rossieli Soeares, quem já se mostrou em acordo com a proposta.

A decisão foi tomada com base na nova Diretriz Curricular, homologada pelo Ministério da Educação (MEC) em novembro de 2018. Com ela, escolas poderiam liberar até 20% da carga horária a distância para o período diurno e até 30% ao noturno, mas somente no Ensino Médio.

O governo estudava manter esta possibilidade somente para o ensino médio no estado, já que a Diretriz não versa sobre educação fundamental. Contudo, após reunião do conselho com o próprio secretário da Educação, foi decidido expandir a adoção também para alunos entre os 6º e 9º anos.

De acordo com levantamento da Folha, na reunião, Soares se mostrou preocupado com o calendário, acreditando que a reclusão poderia atrasar as atividades por dois anos, dependendo de quanto tempo durar a crise doa COVID-19. Com a adição do EaD, a expectativa é de que se consiga terminar o ano letivo ainda em 2020.

Outros estados

O MEC já havia anunciado, na segunda-feira (16), que poderia liberar EaD para ensino médio e fundamental em todo país, como parte do calendário do ano. Contudo, até esta quinta-feira (19), não tomou uma posição oficial sobre o assunto.

O governo de São Paulo, portanto, se adiantou na decisão, uma vez que órgãos da rede pública de ensino, como a Secretaria de Educação, têm autonomia para isso.

Com as discussões, agora o governo estuda formas de regular e garantir que as escolas possam comprovar as aulas a distância. Segundo a Folha, ainda, o governo de São Paulo deve lançar uma plataforma online para alunos da rede estadual.

A preocupação dos educadores está em acesso, já que nem todos os alunos podem ter computadores e outros dispositivos para acompanhar as aulas em casa.

Fonte: Folha

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.