iFood oferece curso gratuito com dicas para restaurantes enfrentarem a COVID-19

Por Rui Maciel | 08 de Maio de 2020 às 16h05
iFood
Tudo sobre

iFood

Saiba tudo sobre iFood

Ver mais

O iFood anunciou nesta sexta-feira (08) a abertura de curso online e gratuito, cujo objetivo é ensinar estratégias necessárias para que os restaurantes enfrentem o período de crise gerado pela pandemia da COVID-19.

A iniciativa leva o nome de “Curso de apoio à gestão de restaurantes em tempos de COVID-19" e será feita em parceria com a escola de negócios Conquer. Para isso, foram desenvolvidos conteúdos 100% online, com aulas envolvendo empreendedores, gestores e profissionais que atuam nas mais diversas áreas ligadas ao mercado de gastronomia.

Sob a ótica da pandemia, o curso renova as informações de marketing, finanças, revela novas formas de operar e aponta mudanças de consumo e de comportamento. O conteúdo das aulas foi desenvolvido para oferecer informações que facilitem a atuação assertiva e a tomada de decisões que reforcem a relação dos restaurantes com clientes, suas juequipes e fornecedores.

Como funcionará

O curso ‘Formação para restaurantes em tempos de COVID-19’ conta com carga horária total de 12 horas distribuído em quatro semanas, com conteúdos inéditos diários de segunda a quinta-feira. Nas três primeiras semanas, as aulas exibidas são gravadas. Já na semana entre 18 e 21/05, os alunos participarão de quatro masterclasses diárias ao vivo, com os profissionais para conversarem e tirarem suas dúvidas. Em toda aula, os alunos recebem materiais de apoio, como planilhas e guia da aula. Posteriormente, o conteúdo gravado ficará disponível na plataforma da Conquer. Após a finalização do curso, os participantes recebem certificado de realização emitido pela escola.

De acordo com o iFood, as aulas serão ministradas por profissionais como Alexandre Momesso, sócio proprietário na Sanity Consultoria e conselheiro da APAS (Associação Paulista de Supermercados); e Karyna Muniz, consultora e curadora em Alimentação Fora do Lar e Mayra Viana, analista técnica, ambas do SEBRAE. Também fazem parte da lista executivos do iFood como Diego Barreto, VP de Estratégia; Arnaldo Bertolaccini, diretor de experiência do cliente.

Plataforma de cursos do iFood: disponível para todos os restaurantes

Por parte da Conquer, participarão das aulas Cibelle Anea. coordenadora tributária; Beto Madalosso, proprietário de restaurantes e tutor na escola; Sidnei Júnior, cofundador da escola; e Edu Albuquerque, head de Inovação.

O iFood informa que as aulas estarão abertas a todos os restautantes do Brasil, esteja o estabelecimento cadastrado no aplicativo ou não (hoje, são 160 mil locais inscritos no app). Para acessar o curso, os interessados devem fazer o cadastro por este link.

“Desde o início de março estamos desenvolvendo e trabalhando várias iniciativas para auxiliar nossos restaurantes parceiros, como um fundo de R$ 50 milhões ou antecipação de pagamentos, por exemplo", afirma Bruno Montejorge, Diretor de Comunicação Institucional e Sustentabilidade do iFood. "A parceria com a Conquer se soma a esses esforços e vai além pois colabora ainda a todo o ecossistema de restaurantes do país. No momento atual, ter informação com conteúdo relevante para o negócio vai fazer toda a diferença na atuação desses estabelecimentos".

Outras ações

Além da plataforma de cursos, o iFood já havia anunciado outras medidas para tentar atenuar os efeitos da crise gerada pela COVID-19 junto aos restaurantes. Entre elas, a empresa está antecipando os recebimentos dos restaurantes, sem custo adicional, efetuando o pagamento 7 dias após as vendas durante os meses de março, abril e maio. Com isso, a foodtech espera injetar até R$2,5 bilhões no mercado brasileiro em antecipações. A ação é executada em parceria com o Itaú, que viabilizou essas antecipações através da empresa de meios de pagamento Rede.

Outra medida é disponibilização de um fundo de assistência no valor de R$ 50 milhões e que poderá ser usado pelos restaurantes cadastrados no app. Segundo o iFood, o benefício é calculado de acordo com o valor de cada pedido vendido, sendo que a quantia disponível depende ainda do percentual de comissão que o estabelecimento para ao iFood.

Entre outras ações, o iFood também passou a devolver integralmente aos restaurantes parceiros o valor arrecado em taxas de serviço "Pra Retirar", no qual os usuários fazem o pedido via app e retiram diretamente no estabelecimento. Por fim, a empresa também liberou o marketplace o iFood Shop para qualquer estabelecimento - mesmo aqueles que não são parceiros do app. A plataforma vende ingredientes, embalagens e outros produtos necessários para o funcionamento do negócio, em um total de dois mil itens, com diversos deles a preços reduzidos.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.