Games podem nos ajudar a tomar melhores decisões?

Por Colaborador externo | 16 de Agosto de 2019 às 09h19

Por Uranio Bonoldi*

É muito comum nos dias de hoje vermos videogames com histórias emocionantes, cheias de ação e aventuras. Foi-se o tempo em que os games se limitavam a apenas agilidade em apertar botões ou passar de fases. Os jogos modernos encorajam a interação do jogador, dando-lhes escolhas que possuem consequências reais e permitindo que eles façam sua própria história pelas decisões que tomam. Esse gênero, conhecido como Narrativa Interativa, vem chamando atenção e aos poucos ganhando popularidade no meio dos gamers de todas as idades; eles se tornam cúmplices, ou melhor, colaboradores da história.

A interatividade permite que as histórias sejam contadas a partir da perspectiva do jogador, e não do personagem principal. O usuário não pensa apenas no que acontecerá a seguir, mas também em “o que acontecerá se eu decidir dessa maneira?”. Dessa forma, as decisões tomadas durante o jogo definem a índole do personagem, a trajetória, e ainda pode modificar o final da narrativa. Será que isso influencia na vida real desses jogadores de alguma forma?

De acordo com testes realizados pela psicóloga Daphne Bavelier e seus colegas da Universidade de Rochester, em Nova York, jogos de ação fortalecem a capacidade de uma pessoa de transformar rapidamente informações sensoriais em decisões precisas. Nos testes executados pela equipe, os gamers de ação responderam substancialmente mais rápido do que os não-gamers. "O que é surpreendente em nosso estudo é que os jogos de ação melhoraram a inferência probabilística não apenas para o ato de jogar, mas para tarefas não relacionadas e tediosas", diz Bavelier.

Isso acontece porque o cérebro acumula continuamente pequenos pedaços de informação visual ou auditiva enquanto uma pessoa examina uma cena, eventualmente reunindo o suficiente para tomar uma decisão assertiva. Os cérebros dos jogadores de games de ação são coletores mais eficientes de informação visual e auditiva e, portanto, acessam as informações que precisam para tomar uma decisão muito mais rapidamente do que os não jogadores, descobriram os pesquisadores. Você pode estar pensando agora: “então eu devo jogar videogame para melhorar minha capacidade de tomar decisões?”.

Não, você não precisa comprar um videogame ou jogos de ação para treinar essa habilidade. Se você tem um smartphone isso já é suficiente, graças à técnica da gamificação. A gamificação baseia-se em métodos que os designers de jogos usam para envolver os jogadores e as aplica a experiências diversas para motivar ações. Incorporam elementos de jogo, como sistemas de pontos e recompensas, à tarefas como incentivo para as pessoas participarem.

A gamificação é eficaz porque explora os desejos naturais das pessoas por competição e realização. Professores, gerentes e outros usam essa técnica para aumentar a participação e melhorar a produtividade. A gamificação também é frequentemente um recurso utilizado em aplicativos e sites para motivar as pessoas a enfrentar desafios pessoais, como metas de perda de peso e aprendizado de idiomas estrangeiros. Acompanhar seu progresso é mais divertido se tudo parecer um jogo.

A capacidade de tomar boas decisões é uma das principais habilidades que as empresas dizem procurar em um funcionário. É obviamente um atributo importante para papéis de liderança, mas, na verdade, acontece em todos os níveis de uma organização. Por isso, muitas empresas já estão introduzindo treinamentos através da gamificação para melhorar essa habilidade em seus funcionários. Essa técnica é chamada de Jogos Sérios (Serious Games), pois tem objetivo de aprendizagem de habilidades, e pode ser dividida em duas categorias principais: Intuitiva, em que os jogadores aprendem através da experiência, errando e tentando novamente; e Informativa, onde a ênfase é a exploração e coleta de informações, ou seja, os jogadores devem analisar os riscos e decidir o que é mais importante.

Então, como exatamente os videogames melhoram as habilidades de tomada de decisões? São inúmeras maneiras. Por exemplo, nos jogos você tem liberdade para falhar, você pode tomar uma decisão errada e iniciar novamente; eles incluem riscos e consequências da vida real; jogos em equipe ajudam as pessoas a aprender como tomar decisões em conjunto, ou procurar ajuda ou conselhos para que outras pessoas possam informar suas decisões; muitas vezes há um feedback imediato em cada decisão; ensinam como equilibrar uma escolha em relação a outra, permitindo que os jogadores vejam imediatamente o impacto de suas decisões; entre muitos outros motivos.

Seja qual for a situação ou o tipo de jogo, essa capacidade de processar informações com rapidez e eficiência pode significar a diferença entre sucesso e fracasso, ou vida e morte, e ainda beneficiar quase todas as profissões. E como? Praticamente com o que já sabíamos todo esse tempo, que o treinamento é a chave para a melhoria das habilidades. Sendo bem pragmático: aprende-se a decidir, decidindo, errando e acertando. Os games são apenas mais um caminho para isso.

*Uranio Bonoldi é professor, conferencista e consultor em gestão, governança corporativa e planejamento estratégico

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.