Nioh 2 tem mesma profundidade do original, mas história é incógnita

Por Wagner Wakka | 23 de Outubro de 2019 às 11h51
Divulgação/Sony

Uma das novidades que valia realmente a pena colocar a mão no estande da Sony na Brasil Game Show (BGS) 2019 certamente era Nioh 2. O segundo game da série leva o jogador de volta ao Japão do período Sengoku na luta contra inimigos poderosos e desafiantes.

Nioh 2 continua no estilo apelidado de souslike — ou seja, parecido com a série Souls. Isso quer dizer que o ponto principal aqui ainda é um esquema de luta de alta dificuldade, baseada em destreza manual e entendimento do inimigo. Dito isso, é preciso acrescentar que este não é exatamente “um game de feira”, isto é, não é bom para se aproveitar em um evento como a BGS. O motivo é simples: apreciar um bom souslike leva tempo e persistência, dois itens escassos no estande da Sony.

Jogo estava disponível no estande da Sony na Brasil Game Show (Foto: Wagner Wakka/Canaltech)

A demo era bastante simples e focada em gameplay, apresentando pouco sobre o que se pode esperar da história. Isso foi uma pena, já que a expectativa é que a desenvolvedora Team Ninja modifique bastante a trama. O primeiro Nioh se estabelece em uma história fictícia do Japão feudal. O personagem principal, William, é chamado para buscar uma pedra mística que dá poderes a quem a toca.

A primeira mudança acontece no protagonista. Agora o jogador não controla mais alguém pronto, mas pode modificar seu/sua ninja como quiser. Na demo da BGS, havia um menu para criar o seu boneco com bastante opções de personalização, entre cabelos, peles, cores dos olhos e estilo.

Só isso já reforça a hipótese de que o seu personagem será um estrangeiro à história, como acontecem com protagonistas mudos e genéricos de Destiny 2 e outros games semelhantes.

Apesar de já possuir o sistema de criação do personagem, na BGS não era possível modificar nada, havendo apenas uma opção para cada um dos itens na lista.

Porrada 

Criado o personagem, é hora de sair no braço por aí. O primeiro ponto da demo é que ela não deixava muito claro onde que o personagem estava nem os motivos que levavam a seguir por aquele caminho. A movimentação parece bastante parecida com o primeiro Nioh. Ou seja, é preciso andar com cautela, sendo que grande parte dos movimentos consome a barra de estamina.

Na primeira parte, é preciso enfrentar alguns esqueletos mais fáceis, com um ritmo fácil de pegar e sem grandes desafios. O problema começa quando se encontra um inimigo insetóide que sai da parede em um dos corredores. Como um personagem mais forte, ele já exige um pouco mais de prática e calma. Foi aqui que aconteceu a primeira morte.

Bom, o jogo volta lá no último ponto de salvamento, uns dois caminhos atrás, e voltar até o inimigo não é tão penoso assim. Depois de umas três tentativas é que percebi o ritmo e estratégias que valiam a pena com ele.

Um ponto negativo de Nioh 2 é que a morte pune bastante. Não por conta de experiência ou algo do tipo, mas, quando o personagem volta à vida, os itens utilizados não são recuperados. Ou seja, se você gastar grande parte do seu arsenal tentando a sorte em um embate e morrer, pode ser ainda mais difícil enfrentar o inimigo novamente.

Passado este primeiro grande desafio, esperava um respiro. Contudo, na cena seguinte já aparece um novo personagem ainda mais forte. Ou seja, não espere a compreensão e bondade de Nioh 2, pois o objetivo da Team Ninja aqui é estressar a habilidade do jogador até o limite.

É preciso dizer que devo ter morrido umas boas 10 vezes durante os pouco menos de 20 minutos que fiquei com o controle na mão no estande da Sony. O misto de prazer com a vitória e a irritação da morte típico de um bom soulslike. Contudo, novamente, ele exige muita profundidade.

Como se trata de um jogo em RGP no estilo Souls, há uma série de armas, equipamentos e outras modificações de nível. Ou seja, é preciso perder um bom tempo entendendo o que cada um dos itens e elementos significam para a mudança do seu personagem. Infelizmente, isso não é possível em 20 minutos de demo na BGS.

Por outro lado, assim como Sekiro e jogos mais recentes do estilo, Nioh 2 vai agradar quem busca alto nível de dificuldade e esmero em gameplay. O jogo ainda não tem uma data de lançamento.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.