Pokémon Go: Motoristas estão trabalhando como 'Uber' para a caça de Pokémon

Por Redação | 11 de Julho de 2016 às 20h10
photo_camera Divulgação

Em menos de uma semana do lançamento, que infelizmente ainda não aconteceu no Brasil, Pokémon Go virou febre mundial e tem sido responsável diariamente por grande parte das notícias liberadas na imprensa nacional e internacional.

A repercussão tem sido tão intensa que nos Estados Unidos algumas pessoas estão se oferecendo como motoristas para quem deseja capturar as criaturas. Para quem não sabe, o game exige que os jogadores caminhem bastante para encontrar os Pokémon, e parece que alguns preguiçosos de plantão estão aderindo aos serviços para evitar os exercícios.

Pelo menos motoristas de três cidades dos Estados Unidos já estão oferecendo o trabalho que, para garantir qualidade, conta, inclusive, com bebidas, petiscos, carregadores e conexão Wi-Fi para os jogadores. Os valores das corridas, geralmente com duração de uma hora, têm variado entre US$ 20 e US$ 30 (aproximadamente entre R$ 66 e R$ 99).

Este anúncio de Baltimore, por exemplo, mostra como o trabalho está sendo levado a sério:

"Você já quis ter um motorista particular para andar com você pelos ginásios e PokéStops? Parece que seu desejo foi atendido! Por uma hora eu dirigirei para você pelos ginásios e PokéStops de Baltimore para ajudá-lo a caçar Pokémon.

Benefícios:

1. Percorra pela cidade sem uma gota de suor – nós passearemos na velocidade da incubação dos ovos, dessa forma você ainda ganhará créditos por chocar os seus.

2. Vá a qualquer lugar — você pode escolher onde quiser ir na cidade de Baltimore ou pode optar por uma das minhas rotas pré-estabelecidas.

3. Sem aborrecimento — eu posso te pegar e depois te deixar em sua casa. Ou podemos nos encontrar em Hampden.

4. Tenha variedade — explore Baltimore para encontrar diferentes tipos de Pokémon.

Sinta-se livre para me contatar, caso você queira mais informações. Aceito dinheiro e Venmo [um sistema de carteira virtual]."

Será que a moda pega aqui no Brasil?

Fonte: Gizmodo