Jogos que completam 10 anos em 2022

Jogos que completam 10 anos em 2022

Por Lucas Arraz | Editado por Bruna Penilhas | 17 de Janeiro de 2022 às 11h00
Reprodução/Ubisoft/Nintendo/Rockstar Games

Em 10 anos muita coisa pode mudar, principalmente em mercados tecnológicos como a indústria dos videogames. Há uma década, os jogadores tinham na mão os consoles PlayStation 3 e Xbox 360 no final de geração.

O ano 2012 marcou o lançamento das aventuras definitivas para esses consoles, como a conclusão da jornada de Comandante Shepard ou o fim da espera de mais de uma década para os fãs de Diablo. Olhando para trás, o Canaltech listou 15 dos jogos mais importantes que completam uma década de vida em 2022.

15. Mass Effect 3

O terceiro capítulo de uma das mais importantes franquias dos videogames, Mass Effect 3 estreou em 6 de março de 2012 para PlayStation 3, Xbox 360, Wii U e PC, trazendo um conjunto de polêmicas finais para a história de Comandante Shepard.

O jogo mostra Shepard tentando salvar a galáxia da ameaça dos Reapers, uma forma de vida sintética que deseja eliminar qualquer ser orgânico. Entre as novidades, a equipe de desenvolvimento da BioWare refinou o combate do jogo, trazendo uma evolução considerável em relação aos títulos anteriores.

Mais uma vez, a narrativa é o ponto forte da aventura, com Mass Effect 3 trazendo as decisões mais difíceis da série. O jogador pode decidir o destino de civilizações inteiras. Em uma mecânica à frente da sua época, o game permitia a importação das decisões tomadas pelo jogador em Mass Effect e Mass Effect 2, modelando a trama em sua conclusão.

Companheiros de Shepard tem destinos alterados por escolhas do jogador (Imagem: Divulgação/EA)

O poder de decisão e liberdade dada ao jogador até se tornaram uma polêmica na época e um problema para a publicadora Electronic Arts (EA). No controle de Shepard, o jogador podia se relacionar sexualmente com outros personagens, não importando gênero ou raça. Na época, canais de imprensa mais conservadores dos Estados Unidos acusaram o jogo de explorar nudez e sexualidade de forma demasiada para os públicos de videogame.

O jornalista Geoff Keighley, criador do The Game Awards, foi chamado para a Fox News para participar de um debate sobre o tema. Intitulado “SeXbox”, em referência as cenas de sexo de Mass Effect e ao console Xbox, o debate contou com Keighley defendendo a liberdade no jogo da BioWare e atacando a ideia de possíveis concequências prejudiciais ao jogador causada pela aventura.

Mass Effect 3 foi remasterizado e relançado na coletânea Mass Effect: Legendary Edition. O pacote com a trilogia e mais de 40 DLCs está disponível para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series e PC, além de compor o catálogo do Xbox Game Pass.

14. Dishonored

Antes de Deathloop conquistar a opinião da crítica e dos jogadores em 2021, a equipe da Arkane Studios estreava sua popular fórmula de jogos de ação sobrenatural com liberdade de exploração em Dishonored.

Publicado pela Bethesda Softworks em 9 de outubro de 2012, o primeiro Dishonored foi lançado para PC, PlayStation 3 e Xbox 360. O jogo se tornou um sucesso de crítica ao apresentar fases profundas com diferentes rotas de exploração para as missões de assassinato.

No controle de um assassino com poderes sobrenaturais, o jogador tem liberdade para acabar com inimigos e realizar missões de diferentes formas. Por exemplo, é possível escolher entre abordagens furtivas ou confrontos diretos, balanceando as habilidades de teletransporte e invocação. Ainda existe a opção de completar o jogo sem matar nenhum personagem não jogável.

Verticalidade dos mapas de Dishonored ajudam abordagens furtivas (Imagem: Divulgação/Bethesda Softworks)

Dishonored é conhecido por ter atualizado e popularizado o gênero de jogos imersivos ou “immersive sims”. A fórmula da aventura foi reutilizada na sequência Dishonored 2 e em Deathloop.

Dishonored está atualmente disponível para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series, PC e no catálogo do Xbox Game Pass.

13. Far Cry 3

O terceiro capítulo de Far Cry tem motivos de sobra para ser considerado um dos jogos mais importantes da franquia e uma guinada para o que a série se tornaria anos depois. Lançado em novembro de 2012 para PS3, Xbox 360 e PC, Far Cry 3 apresentou um dos vilões mais marcantes dos videogames e solidificou a fórmula de fortes antagonistas da série.

Interpretado por Michael Mando, o vilão Vaas Montenegro é sádico e insano, o que traz passagens fortemente cruéis para Far Cry 3. O líder dos piratas controla as Ilhas Rook e tenta matar o protagonista Jason Brody enquanto o atormenta, zoa e o pressiona contra os próprios limites.

Interpretação de Vaas alavancou carreira de ator (Imagem: Reprodução/Ubisoft)

Vaas é reconhecido por estabelecer o alto padrão para os vilões de Far Cry, muito graças à atuação de Mando. O papel do pirata perturbado também catapultou a carreira do ator, que trabalhou posteriormente em Homem-Aranha: De Volta ao Lar e em séries como Orphan Black.

12. Diablo III

Quem sempre amou Diablo, desde o lançamento do primeiro jogo em 1996, teve que esperar para colocar as mãos na terceira etapa da franquia. Diablo III foi anunciado em 2008 e lançado para computadores somente em maio de 2012, 12 anos após a chegada de Diablo II.

A espera, pelo menos, valeu a pena. O RPG de ação da Blizzard Entertainment manteve a visão isométrica de seus predecessores, atualizando as mecânicas em um mundo totalmente 3D e interativo. A vasta coleção de itens e classes de personagens para a época, foi responsável por criar uma verdadeira legião de jogadores para o título.

Diablo III refinou muito controles e visuais da franquia (Imagem: Divulgação/Blizzard Entertainment)

Diablo III quebrou recordes de vendas ao comercializar, apenas no primeiro dia de vida, mais de 3,5 milhões de cópias. Até o fim do primeiro mês de lançamento, o jogo já tinha feito mais de 6 milhões de pessoas gastarem horas e horas na frente dos computadores.

Após o lançamento de Diablo III, uma verdadeira maratona ao redor do mundo para fechar o jogo começou. Um jogador sedentário até mesmo morreu devido a um ataque cardíaco, após passar 72 horas em uma sessão de jogatina.

Para rotinas menos obsessivas, Diablo III e a expansão Reaper of Souls compõem o pacote Ultimate Evil Edition, disponível para PS4, Xbox One, Nintendo Switch e PC.

11. The Walking Dead

Em 2012, a série The Walking Dead alcançava novos patamares de sucesso durante a exibição da segunda temporada. Acertando na decisão de se afastar da televisão para apostar em uma história original, o estúdio Telltale Games criou um clássico há 10 anos com The Walking Dead: Season One.

O jogo narrativo é baseado nos quadrinhos, tendo como inspiração o início do apocalipse zumbi na Geórgia. No entanto, a maioria dos personagens vistos na trama são originais deste jogo, incluindo a dupla Lee Everett e Clementine, que fez muito jogador chorar.

The Walking Dead: Season One foi lançado em cinco episódios, entre abril e novembro de 2012. O jogo vendeu 8,5 milhões de “capítulos” até o final daquele ano, além de faturar o prêmio de Jogo do Ano no Video Game Awards.

Jogo apresenta dupla de personagens inéditos Lee Everett e Clementine (Imagem: Divulgação/Telltale Games)

A jogabilidade de The Walking Dead se concentra na trama áspera e no desenvolvimento emocional dos personagens. O roteiro é afetado sensivelmente e muda de rumo de acordo com escolhas do jogador e resultados de ações durante eventos rápidos (quick time event).

The Walking Dead: Season One foi lançado para PC, PlayStation 3 e Xbox 360. Atualmente está disponível nos consoles mais recentes da Sony, Microsoft, Nintendo Switch e dispositivos móveis.

10. Halo 4

Halo 4 foi publicado pela Microsoft exclusivamente para Xbox 360 e PC em 2012, inaugurando uma nova era para a franquia de tiro em primeira pessoa. O título marcou a estreia do estúdio 343 Industries no desenvolvimento da série.

A desenvolvedora apostou em novos caminhos para os jogos. Halo 4 é a primeira parte de uma nova trilogia, “Reclaimer". Na jogabilidade, a aventura incorporou mais mistérios, momentos de exploração e elementos narrativos, inclusive aprofundando personagens e até desenvolvendo uma relação entre o protagonista Master Chief e a inteligência artificial Cortana.

Halo 4 desenvolve relação entre Master Chief e Cortana (Imagem: Reprodução/Xbox Game Studios)

Em Halo 4, Master Chief reaparece depois de passar vários anos no espaço profundo para enfrentar uma nova ameaça e encontrar a IA Cortana, considerada perdida. Halo 4 foi relançado na Halo: The Master Chief Collection e está disponível para PC, Xbox One e Xbox Series, além de compor o catálogo do Xbox Game Pass.

9. CS: GO

Se existem jogos que envelheceram mal, outros resistiram à prova do tempo e são uma ótima experiência para curtir até os dias atuais, mesmo sem gráficos modernos. Esse é o exemplo de Counter-Strike: Global Offensive, ou CS:GO para os mais íntimos.

A sequência que modernizou o Counter-Strike que fez sucesso em Lan House pelo Brasil há 19 anos, possui na gama de jogadores nomes como o futebolista Neymar Jr. e o segundo streamer mais assistido da Twitch, Alexandre "Gaules" Borba.

Em 2021, CS:GO foi o título com maior média de jogadores simultâneos no Steam, com quase 1 milhão de pessoas ligadas aos servidores da Valve. Parte do sucesso de CS:GO é definido pelo modelo gratuito para jogar e requisitos leves para os mais diversos tipos de computador.

CS:GO foi lançado em agosto de 2012 para PC e ainda ganhou versões exclusivas do Xbox Live Arcade do Xbox 360 e para PlayStation 3 via PlayStation Network.

8. Hotline Miami

Completando 10 anos de vida em 2022, Hotline Miami é um daqueles jogos que já recebeu o status de cult. E merecidamente. A aventura independente publicada pela Devolver Digital para computadores em outubro de 2012 reúne brutalidade crua e uma estética que impressionaram na época e ainda impressionam.

A trama tem toques de surrealismo e está situada em uma Miami de 1989. O jogador controla Jacket, um homem que recebe telefonemas com instruções para cometer massacres contra a máfia russa. Com uma visão isométrica e muita ação, Hotline Miami tem fases de furtividade, violência extrema e visuais influenciados por Grand Theft Auto (GTA) e filmes como Drive.

O jogo ganhou uma continuação que pode ser desfrutada ao lado do título original em Hotline Miami: Collection, pacote lançado para Nintendo Switch e Xbox One.

7. Assassin's Creed III

A Revolução Americana é o cenário inicial de Assassin's Creed III, lançado no final de 2012 para Wii U, Xbox 360, PlayStation 3 e PC. A batalha pela liberdade das colônias americanas serve de fundo para uma história que apresenta um dos melhores protagonistas da franquia.

Enquanto o jogador inicia a jornada com Haytham Kenway e uma exploração bastante limitada, a trama avança para apresentar o determinado Connor Kenway e sua interessante mecânica de escalar árvores livremente, abrindo novas possibilidades no jogo.

Assassin's Creed III ainda possui a jogabilidade voltada para ação e não para o RPG como os jogos mais recentes, mas cumpre bem o papel de apresentar uma história emocionante e divertida.

Escalar árvores com Connor Kenway em AC III deixa tudo mais interessante (Imagem: Reprodução/Ubisoft)

O título possui uma versão remasterizada, disponível para consoles mais recentes, e com a adição de todos os DLC solo originais, além de “A Tirania do Rei Washington” e o jogo Assassin's Creed Liberation completo e remasterizado.

6. Borderlands 2

Desenvolvida pela Gearbox Software, a aventura de ficção científica e tiro em primeira pessoa, com elementos de RPG, transporta os jogadores para o mundo de Pandora com um extenso mapa. A principal melhoria da sequência é o aperfeiçoamento da inteligência artificial de inimigos e na física de objetos, como os veículos.

Desta vez, os jogadores podem desbravar Pandora com mais respostas, pois os acontecimentos das missões e do próprio enredo estão diretamente ligados àquele universo, criando um contexto muito maior e mais coeso.

O fator RPG também ganhou mais força neste jogo, com uma árvore de habilidades reformulada e que deixava a progressão do jogador mais fácil de ser entendida. Atualmente, Borderlands 2 está disponível para todas as plataformas mais recentes.

5. Sleeping Dogs

Sleeping Dogs poderia nem estar nessa lista, nem ao menos existir. O jogo de ação e aventura de mundo aberto seria publicado pela Activision, mas, por conta de altos custos, foi cancelado pela publicadora.

Foi então que a Square Enix entrou na jogada e ajudou as desenvolvedoras a terminarem para PS3, Xbox 360 e PC. O jogo tem como cenário Hong Kong, na China, e foca a trama em um detetive que tenta combater a máfia do local.

Sucesso de crítica, Sleeping Dogs recebeu uma versão definitiva com 24 DLCs para PS4 e Xbox One.

4. Pokémon Black 2 e White 2

Difícil não encontrar fãs de Pokémon que não tenham ficado surpresos com o anúncio de Pokémon Black Version 2 e Pokémon White Version 2. Em 2012, pela primeira vez, a The Pokémon Company lançou sequências seriadas para os jogos principais da franquia.

Os títulos chegaram para a família Nintendo DS com uma trama que se passava dois anos após os eventos de Pokémon Black and White. Os jogos mostram a região de Unova com novos locais acessíveis, três líderes de ginásio e um campeão inédito.

Pokémon Black 2 e White 2 tem versões alternativas de lendários do antecessor (Imagem: Divulgação/The Pokémon Company)

Black Version 2 e White Version 2 ainda apresentam duas novas formas de Kyurem, em espécies de fusões com Zekrom e Reshiram. Levando em conta como a The Pokémon Company dita de forma conservadora os caminhos da franquia Pokémon, estes games são pontos fora da curva que gostaríamos de ver novamente.

3. Resident Evil 6

Se atualmente Resident Evil encontrou o caminho para se tornar uma franquia que vende 10 milhões de unidades nos lançamentos mais recentes, muito se deve às decisões de rota que a Capcom tomou há 10 anos.

Resident Evil 6 não é o melhor jogo da franquia de terror, longe disso, mas é um capítulo importante para a saga. Foi neste jogo lançado em outubro de 2012 para PlayStation 3 e Xbox 360 que a Capcom voltou a série totalmente para ação e percebeu que talvez essa não era a melhor decisão.

Com a recepção morna de Resident Evil 6, que trocou a atmosfera de terror de sobrevivência tão importante para a série por acrobacias e armas potentes, a Capcom entendeu que precisava levar a franquia de volta para os eixos. O resultado do processo foi o lançamento do aclamado Resident Evil 7: Biohazard cinco anos mais tarde.

2. Max Payne 3

Com Max Payne 3, a desenvolvedora Rockstar Games conseguiu executar o que prometeu: uma aventura cheia de ação no gameplay e um roteiro digno de cinema. O jogo lançado em maio de 2012 para PlayStation 3, Xbox 360 e PC tem o Brasil como pano de fundo, o que torna ele um pouco mais especial para quem jogou na época.

A história mostra Payne trabalhando como segurança privado para uma família de São Paulo. A trama começa quando uma gangue de rua sequestra a esposa de Rodrigo Branco, um dos membros da família que Max deve proteger.

Jogo da Rockstar Games se passa em uma São Paulo com cara de Rio de Janeiro (Imagem: Reprodução/Rockstar Games)

São Paulo pode até ser o cenário de Max Payne 3, mas é curioso ver como a produção gringa retratou a cidade com diversos elementos que remetem ao Rio de Janeiro. Apesar dos pesares, Max Payne tem uma jogabilidade viciante e ainda o adicional de contar com o rapper Emicida na trilha sonora do jogo.

1. Journey

O mundo antigo e misterioso de Journey era de tirar o fôlego quando foi lançado para PS3 em março de 2012 e ainda segue impressionando. Neste game desenvolvido pela Thatgamecompany, o jogador explora ruínas e desliza por areias com objetivo descobrir os segredos deste local.

Como o título anuncia, Journey é uma jornada com visuais incríveis e uma trilha sonora indicada ao Grammy. Tudo na aventura é sobre dar ao jogador sensações de fascínio, forjando uma conexão emocional.

Com a fama de Journey, exclusivo de PS3 na época, a indústria de videogames consolidou uma visão de que títulos de menor orçamento também poderiam ser um sucesso comercial relevante e com apoio do público. Foi um ponto crucial para como a indústria olhava para jogos independentes com estilos artísticos pouco tradicionais.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.