Análise| Scribblenauts Showdown é ótimo para reuniões entre família e amigos

photo_camera Shiver

Jogos como UNO, baralho, Jenga, dominó e até mesmo Just Dance acabam de ganhar mais um aliado para aquelas ocasiões em que acontecem qualquer pretexto para reunir parentes e amigos. Sejam aniversários ou churrascos, dentre tantas outras comemorações, essas festas nas casas dos jogadores acabam de ganhar mais uma brincadeira que vai reunir os integrantes da família – ou separar todos eles – em prol da competição, da criatividade e da diversão.

Scribblenauts Showdown oferece um compilado de minigames distribuídos em modos de jogos voltados para amigáveis disputas, e traz novamente a sensação familiar e gostosa de se jogar cercado de conhecidos ou familiares próximos, todos reunidos em um mesmo local. Os jogadores poderão desfrutar de três tipos de jogatina distintas e exercer a imaginação com o sistema único da franquia de criação de itens.

Apesar de estar um pouco diferente do habitual, já que antigamente esse recurso emprestava ao jogador tudo que ele precisasse, bastando apenas abrir o menu de criação e digitar o item que era necessário; a mecânica em questão ainda está presente neste novo título e apresenta ao gamer possibilidades duplicadas de criação e de diversão.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Personalização e colecionáveis

É possível personalizar seu Scribblenauta ou ainda comprar um temático com a moeda do jogo, as Starites (Imagem: Shiver/Warner Bros. Games)

Um dos pontos positivos de Scribblenauts Showdown é, sem dúvidas, a personalização dos Scribblenautas, os mascotes da franquia. É possível deixar o rosto, a pele, o cabelo, a roupa, dentre outras opções, do jeito que você quiser, seja ele parecido com você ou com alguém conhecido – obviamente, sempre dentro do estilo gráfico característico da série, que segue uma linha mais cartunesca.

Porém, só é possível personalizar um Scribblenauta para o primeiro jogador, isto é, o que estiver com a conta ativa no momento em que o título estiver sendo jogado. Essa limitação é bizarra, pois obriga o segundo jogador a ter que criar um perfil próprio no videogame para que seja possível personalizar o seu personagem. E ainda que o outro gamer precise apenas acessar sua PlayStation ID, ainda assim não tira a sensação de quebra de imersão sobre o game.

Existem também Scribblenautas temáticos. Um deles, por exemplo, lembra muito o personagem Thor, enquanto que outro é a cara da bruxa de O Mágico de Oz, dentre muitos outros. Esses personagens especiais podem ser desbloqueados conforme o jogador vai avançando no game, ou podem ser conseguidos através da loja de itens.

Os minigames variam bastante, indo desde disputas na cozinha, corridas olímpicas e ritmo e dança, dentre muitos outros (Imagem: Shiver/Warner Bros. Games)

O número de itens esperando para ser desbloqueado em Scribblenauts Showdown é gigante. Para quem não é fã de colecionáveis e, portanto, não se empolga muito com a ideia, talvez o recurso não seja nada atraente. Porém, para os entusiastas e platinadores de plantão, para conseguir tudo que o jogo oferece, basta juntar Starites (a moeda do jogo, em formato de estrela) conforme vai se ganhando ou perdendo os minigames e trocá-las pelos itens disponíveis.

Minigames para acabar com as amizades

Em Showdown, existem três modos de jogos: o Versus, o Embate e a Caixa de Areia. O primeiro permite que até dois jogadores disputem entre si em um total de 27 minigames rápidos e divertidos. As mecânicas dos minigames são diversas e variadas, e, inclusive, esse é um ponto superpositivo do game: a interação com o joystick. Existem alguns minigames, por exemplo, em que o jogador precisará mexer o controle para os lados e também para cima e para baixo para vencer as partidas, o que torna tudo mais divertido ainda.

Ainda no modo Versus, o jogador escolhe entre dois tipos de minigames que irá disputar com outra pessoa ou com a CPU, sendo esses Palavra ou Velocidade. No primeiro, uma roleta será lançada e, a partir disso, será escolhida uma temática. Após essa etapa, o jogador precisará digitar ou escolher uma palavra adequada – lembrando que o objeto selecionado será usado na partida e poderá ajudar ou não o gamer a vencer, dependendo do minigame. Já o Velocidade coloca os personagens em desafios em que ele precisará ser rápido e eficiente se quiser vencer.

Para alguns minigames, é necessário utilizar o joystick de maneira mais interativa, movimentando o controle para os lados, ou para cima e baixo (Imagem: Shiver/Warner Bros. Games)

O segundo modo de jogo é o Embate. Ele funciona de maneira semelhante ao Versus, mas permitindo que até quatro jogadores locais disputem pelo título de vencedor. Neste tipo de jogatina, existem três opções de duração: rápido (15 minutos em média), médio (30 minutos mais ou menos) e longo (45 minutos no máximo). Após os jogadores escolherem uma das alternativas, os personagens são colocados em uma espécie de tabuleiro e se movimentam pelas casas utilizando cartas.

A cada turno de cada um dos Scribblenautas, uma carta será comprada e outra será usada para dar andamento à partida. As cartas possuem efeitos variados, podendo ser usadas apenas para se movimentar no tabuleiro pacificamente ou para desafiar os outros jogadores em minigames de Palavra ou de Velocidade. Há ainda o tipo de carta que trapaceia, por assim dizer, que faz os outros personagens voltarem algumas casas, ou trocarem de posição entre si, dentre outros. O primeiro jogador que chegar ao final do tabuleiro vence o jogo.

Por fim, há a Caixa de Areia, que funciona como uma espécie de modo campanha. Existem oito níveis e, em cada um deles, o jogador precisará cumprir uma lista de objetivos, com tarefas variadas. É um tipo de gameplay mais livre, que permite aos jogadores exercerem a criatividade e a imaginação, e até dois jogadores podem se juntar à breve aventura.

No modo Embate, é possível jogar com até quatro jogadores locais, em uma espécie de tabuleiro. O primeiro que chegar à última casa, vence a partida (Imagem: Shiver/Warner Bros. Games)

Aspectos técnicos

Scribblenauts Showdown possui uma jogabilidade muito simples e fácil de se dominar, o que realmente o torna uma boa pedida em festas e reuniões entre familiares e amigos. O dicionário do game é imenso e fornece ao jogador um número surpreendente de possibilidades de objetos que podem ser usados nas partidas. Absolutamente qualquer item pode ser criado e utilizado na jogatina, e isso pode ajudar ou atrapalhar o jogador, o que torna tudo ainda mais interessante.

Os gráficos do título são, como já citados, dentro dos padrões da série, o que significa que o game continua seguindo um estilo cartunesco. Esse aspecto pode chamar muito a atenção das crianças, o que o torna uma aquisição interessante, já que os jogadores que possuem filhos podem usar Scribblenauts Showdown de maneira educativa e inventiva, explorando a imaginação dos pequenos.

Por fim, a trilha sonora não é nada chamativa, ao menos para quem aprecia essa característica. As canções instrumentais que tocam ao fundo não empolgam, mas também não são irritantes. Não que as músicas da série Scribblenauts tenham sido uma característica marcante ao longo dos anos, mas, ainda assim, neste aspecto o game poderia ter sido realmente muito melhor.

As cartas do Modo Embate fornecem várias ações aos jogadores para que eles ganhem o jogo  (Imagem: Shiver/Warner Bros. Games)

Aquela sensação de que falta alguma coisa

A franquia Scribblenauts sempre foi conhecida por sua inovação dentro do gênero de puzzles e aventura e por trazer as mecânicas de palavras e criação. Todavia, Scribblenauts Showdown não tão focado em uma experiência inventiva como foram seus antecessores. O recurso de palavras ainda existe aqui e, como comentado, traz diversão e surpreende pela quantidade de possibilidades no dicionário do game.

O problema é que, neste novo game da série, é visível um certo desgaste, e fica aquela sensação de que ficou faltando algum tempero para que seu gosto fosse primoroso e inesquecível como os outros. Sem contar que o game, depois de um tempinho (curto mesmo), pode ser rapidamente esquecido em meio a uma pilha de outros jogos.

Infelizmente, os jogadores que esperam um título desafiador podem ficar decepcionados. O título não oferece muito além do que já foi citado. Existem os modos de jogo para serem jogados contra a CPU ou com amigos e familiares, a personalização dos Scribblenautas e os incontáveis colecionáveis, que impõem um obstáculo relativamente interessante para quem coleciona platinas. Nada além disso.

Somado ao fator de que os minigames são, em geral, curtos e fáceis de se dominar, Scribblenauts não tem um fator replay tão considerável assim. Além disso, em meio às partidas, os minigames se repetirão muitas vezes e o que antes era divertido só se torna repetitivo. Se o jogador não tiver ninguém para jogar junto então, o fator se agrava ainda mais, pois a experiência pode rapidamente se tornar chata.

*Scribblenauts Showdown está disponível para Xbox One, PlayStation 4 e Nintendo Switch. No Canaltech, ele foi analisado no PlayStation 4 em cópia digital gentilmente cedida pela Warner Bros Interactive.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.